CNA debate cálculo do Valor da Terra Nua para ITR

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

CNA debate cálculo do Valor da Terra Nua para ITR


Brasília (22/07/2021) – A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) promoveu a live “Importância do acompanhamento do lançamento do Valor da Terra Nua (VTN) para fins de Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR)” na quarta (21).

O debate foi moderado pelo presidente da Comissão Nacional de Assuntos Fundiários da CNA, Paulo Ricardo de Sousa Dias, e teve como participantes o assessor da presidência do Sistema Farsul, Derly Girardi; o coordenador do Comitê de Contabilidade Rural do Conselho Regional de Contabilidade de Goiás (CRC/GO), João Emilio Ribeiro Valongo; e o analista técnico de Finanças Municipais da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Alex Hudson Costa Carneiro.

Paulo Ricardo Dias destacou a importância do VTN para o cálculo do ITR, que é um imposto parafiscal, ou seja, sem fins arrecadatórios. Segundo ele, existe uma legislação consolidada sobre o assunto, mas houve uma municipalização a partir de convênios com a Receita Federal (Instrução Normativa 1.877/2019), o que tem gerado divergências nos valores informados.

“Lamentavelmente em muitos municípios existe uma distorção, principalmente na base do conceito de VTN, que é aquele de terra desprovida de toda benfeitoria, e muitos municípios indicam valores de mercado muito altos e que oneram por demais o produtor rural”, afirmou.

De acordo com ele, está em discussão na Comissão Nacional de Assuntos Fundiários da CNA o Projeto de Lei 454/2019, que tem como objetivo aumentar a segurança jurídica na valoração do VTN tanto para o produtor rural quanto para o Governo Federal.

Na opinião de Derly Girardi, além do equívoco em relação ao conceito de terra nua, os investimentos feitos pelos produtores rurais em melhoramento de solo – como adubação, acidez, calagem, etc – durante anos não são considerados no ITR. Outro problema é que muitos laudos estão sendo feitos de forma simplificada, sem critérios técnicos e científicos.

“Isso traz desconforto e uma preocupação muito grande. O conceito de terra nua está sendo utilizado de forma equivocada. Precisamos que os laudos sejam feitos como determina a Instrução Normativa 1.877/2019 e que sejam levantados os investimentos do produtor na sua propriedade”, disse.

O coordenador do Comitê de Contabilidade Rural do CRC/GO também criticou a sistemática de cálculo utilizada pelas prefeituras e explicou como isso pode afetar o valor do ITR pago pelo produtor rural. João Emilio Ribeiro Valongo acredita que é preciso uma transparência maior na lei e que os municípios sigam os mesmos critérios de avaliação.

“Quanto mais eu trabalho, planto e produzo, mais eu sou penalizado. Isso não é justo. Falta um respeito muito grande do poder público com o produtor rural, que é quem sustenta esse país”, declarou.

Alex Carneiro falou sobre as ações que a CNM está realizando para capacitar e auxiliar os gestores municipais sobre a IN 1.877/2019, como cursos e notas técnicas. Ele ressaltou, ainda, que a elaboração do laudo técnico deve ser realizada por um profissional legalmente habilitado e vinculado ao Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea) e aos correspondentes Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia (Crea).

Assessoria de Comunicação CNA
Foto: Wenderson Araujo
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

Mais Notícias em Agronegócio

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

canal no youtube

Mais recentes