Comissão de Café da CNA discute liberação de crédito para recuperação de cafezais e avanços na NR 31

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Comissão de Café da CNA discute liberação de crédito para recuperação de cafezais e avanços na NR 31


Brasília (27/11/2020) A Comissão Nacional do Café da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu, na sexta (27), para discutir medidas de apoio à cafeicultura diante da estiagem que afeta as principais regiões produtoras e a Resolução 4.868, do Conselho Monetário Nacional (CMN), que liberou mais R$ 150 milhões para a recuperação de cafezais atingidos por estiagem e chuvas de granizo.

A decisão do CMN atende a uma demanda encaminhada pela CNA e que já havia sido aprovada pelo Conselho Deliberativo de Política do Café (CDPC). O recurso é uma suplementação da linha prevista no Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) para a recuperação de lavouras que foram danificadas por intempéries climáticas.

Antes, o valor previsto para a recuperação dos cafezais era de R$ 10 milhões. Com esse novo volume, o montante total previsto no orçamento do Funcafé para essa finalidade passa a ser de R$ 160 milhões.

O presidente da Comissão, Breno Mesquita, afirmou que a decisão é uma grande conquista para o setor e o próximo passo é informar os produtores sobre a ampliação dos recursos para a linha de crédito. “Existe um prazo para os agentes financeiros demandarem esse recurso no Funcafé, então precisamos divulgar a informação para que o produtor faça contato com os agentes e o recurso seja liberado o mais rápido possível”.

Durante a reunião, a assessora técnica da CNA, Raquel Miranda, explicou que, como consequência do fenômeno climático La Niña, as lavouras de café nesta safra foram severamente afetadas pelo déficit hídrico e pelas altas temperaturas. A disponibilidade de água no solo foi inferior à normal, o que prejudicou o desenvolvimento das plantas. São Paulo, Minas Gerais e Rondônia foram alguns dos estados mais atingidos.

“Com esses recursos, os produtores poderão realizar o manejo correto de recuperação de suas lavouras sem ficarem descapitalizados”, disse. 

reuniao do cafe 201127 215126

Segundo Miranda, além da suplementação dos recursos, a CNA também solicitou a alteração do limite de crédito de R$ 3 mil para R$ 8 mil por hectare de lavoura e a inclusão do termo “seca” entre os eventos climáticos aptos para o financiamento. Essas medidas devem ser aprovadas na próxima reunião do CMN, em dezembro.

No encontro, a Comissão também discutiu as principais mudanças da nova Norma Regulamentadora (NR) nº 31, que trata sobre segurança e saúde no trabalho na agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aquicultura. A norma foi atualizada pela Portaria nº 22.677 e entra em vigor no dia 27 de outubro de 2021.

O assessor jurídico da CNA, Rodrigo Hugueney, apresentou um histórico da norma e os principais pontos do novo texto, como a redução e reestruturação dos capítulos para facilitar o entendimento dos auditores, empregadores e trabalhadores, a simplificação da linguagem para o produtor rural e a aplicabilidade somente desta norma para o setor.

De acordo com Rodrigo, a revisão do capítulo que trata das condições sanitárias e de conforto no trabalho rural também foi outra inovação. “Houve várias mudanças com relação aos alojamentos para trabalhadores, instalações sanitárias e armazenamento de defensivos, que facilitam a aplicação da norma no meio rural e trazem mais segurança jurídica ao setor”.

Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil

Fonte: CNA Brasil

Mais Notícias em Agronegócio

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes