Muni Lourenço, presidente da FAEA, avalia como positivo o volume de recursos do Plano Safra do Banco da Amazônia

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Muni Lourenço, presidente da FAEA, avalia como positivo o volume de recursos do Plano Safra do Banco da Amazônia


O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária (FAEA) e vice-presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Muni Lourenço, participou do evento de transmissão ao vivo do Banco da Amazônia, nesta terça-feira (29/06), em que foi anunciado o investimento de R$ 7 bilhões pelo Plano Safra 2021/2022, e avaliou como positivo o crescimento dos recursos disponibilizados mesmo num ano cheio de desafios, numa resposta às demandas das federações e representantes do agronegócio.

A live teve início com a apresentação de Valdecir Tose, Presidente do Banco da Amazônia que fez um apanhado do crescimento nos números do Plano Safra e o recorde de 2020/2021, ressaltando que “estimular o agronegócio sustentável com integração de tecnologia, social e ambiental beneficia a todos”. O evento contou ainda com a presença de Francimar Maciel, diretor comercial do Banco da Amazônia, João Guadagnin, coordenador de Crédito Rural da Conexsus, Valdecir Tose, Presidente do Banco da Amazônia e Wilson Vaz de Araújo, diretor de crédito e informação do Mapa.

No total, o Plano Safra do Banco da Amazônia vai destinar o valor recorde de R$ 7 bilhões, sendo 4 bilhões dedicados ao fomento de agricultores familiares, mini e pequenos agricultores. Os outros R$ 3 bilhões serão destinados ao financiamento de projetos de médio e grandes produtores. 

Após mostrar alguns projetos beneficiados em diversas localizações na Amazônia, o representante do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa),Wilson Araújo, ressaltou a importância dos investimentos no agronegócio para o desenvolvimento econômico do país.

Muni Lourenço ressaltou durante a sua fala, que este momento é muito aguardado por todos os produtores e entidades envolvidas no setor produtivo rural, principalmente nos valores injetados no desenvolvimento da região Amazônica. “Todos nós sabemos da importância que o setor agropecuário brasileiro vem tendo na geração de emprego e renda e isso não é diferente na região Norte e na Amazônia”, comenta.

Ele também destacou o aumento de recursos para fomento de desenvolvimento tecnológico e inovação que ajudam a elevar a produção e a produtividade dos empreendimentos rurais. Outro aspecto sinalizado foi a ampliação das linhas de crédito específicas para atividades que fazem a conciliação da agropecuária com a sustentabilidade ambiental, sobretudo na região. 

Uma preocupação destacada pelo presidente da FAEA diz respeito ao aumento das taxas de juros nos financiamentos de todo o país. Lourenço mencionou ainda as dificuldades históricas da região no acesso dos produtores rurais ao crédito rural, principalmente a carência de regularização fundiária e ambiental. “Estamos confiantes que o Banco da Amazônia fará um esforço para amenizar essa situação e desburocratizar os custos gerais na contratação de financiamentos de nossos empreendedores”, pontuou. 

Muni concluiu sua fala declarando apoio e cooperação em nome de todas as federações, sindicatos e produtores rurais ao Plano Safra e que todos juntos ao Basa farão desse plano um grande sucesso e desenvolvendo a região.

Fonte: CNA Brasil

Mais Notícias em Agronegócio

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

canal no youtube

Mais recentes