No Supremo, CNA defende manutenção do Convênio ICMS 100

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

No Supremo, CNA defende manutenção do Convênio ICMS 100


Brasília (03/11/2020) – A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) defendeu no Supremo Tribunal Federal (STF) a manutenção do Convênio ICMS 100 no julgamento de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI).

A ADI 5.553/2016 foi movida pelo PSOL e questiona benefícios tributários que incidem sobre defensivos agrícolas, como o Convênio ICMS 100/1997 e o Decreto 7.660/2011.

Na sustentação oral, o assessor jurídico da CNA, Rodrigo Kaufman, alertou para os impactos econômicos com o fim do Convênio 100, cuja renovação foi aprovada no dia 29 de outubro pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que reúne os secretários de Fazenda dos estados e do Distrito Federal.

De acordo com Kaufman, uma das consequências é um aumento de 9,5% no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para os produtos da cesta básica. A parcela do salário destinada à compra de produtos da cesta básica de quem ganha em média um salário mínimo subiria de 46,4% para 50,8%.

O fim do convênio também afetaria os pequenos produtores, que dependem do uso de defensivos para manter o nível de produtividade e contratam mão de obra para a produção. “O impacto no consumidor final e na cadeia produtiva precisa ser levado em conta pelo Supremo Tribunal Federal”, ressaltou Kaufman.

Rodrigo Kaufman explicou que o Brasil tem “um dos modelos mais sólidos e importantes de análise de defensivos agrícolas do mundo”. A aprovação dos registros das moléculas passa por três órgãos: Anvisa, que avalia a parte toxicológica; Ibama, que trata dos impactos ambientais; e Ministério da Agricultura, que estuda a eficiência agronômica dos defensivos.

Ele também falou sobre a imposição legal a que se submetem os três órgãos para a análise de registro desses insumos. Um dos parâmetros nesse contexto é a Lei 7.802/1989, disse Kaufman. Segundo ele, hoje há critérios rigorosos para a aprovação do uso de moléculas.

Disse, ainda, que a Anvisa adota o método GHS, sistema harmonizado para classificação e rotulagem de produtos químicos, considerado o mais eficiente do mundo, adotado por 53 países. Além disso, acrescentou que o Programa de Análises de Resíduos de Agrotóxicos (PARA) da Anvisa mostra que o alimento brasileiro é seguro para o consumo.

O julgamento começou na sexta (31) de forma virtual e deve terminar no dia 10 de novembro. O relator do processo, ministro Edson Fachin, votou pela procedência da ADI.

Acesse aqui a sustentação oral do assessor jurídico Rodrigo Kaufman

Assessoria de Comunicação CNA
Foto: Nelson Jr./STF
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil

Fonte: CNA Brasil

Mais Notícias em Agronegócio

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes