Pecuária de corte e equideocultura são temas de debate no Agro pelo Brasil

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Pecuária de corte e equideocultura são temas de debate no Agro pelo Brasil


Ricardo Nissen

Brasília (31/10/2020) – A terceira edição do projeto Agro pelo Brasil terminou no sábado (31) com debates sobre produção, gestão e mercado da pecuária de corte e equideocultura, além de novos quadros, atrações culturais e gastronômicas dos estados participantes.

A programação começou com a discussão sobre a importância do gerenciamento profissional na bovinocultura de corte para que o pecuarista tenha lucro e mantenha o negócio frente às oscilações da economia. Os participantes analisaram pontos como os desafios do segmento com a pandemia, estratégias para garantir renda, exportações e rastreabilidade.

“A gestão é o mapa da propriedade para que o produtor possa atingir o lucro. Se ele não souber quais são seus custos e receitas, o fechamento financeiro será complicado. Além disso, não identificará os pontos que precisa corrigir para aproveitar oportunidades do mercado”, afirmou o assessor técnico da CNA, Ricardo Nissen.

O médico veterinário Jonas Batista Ferreira Filho destacou que o foco produtivo deve ser o “giro técnico de estoque com margem sobre a venda”, ou seja, produzir um excedente de arrobas com o rebanho que o produtor já possui. Entre os fatores que precisam ser observados estão o desembolso cabeça/mês, ganho médio diário, lotação e valor de venda.

Para o assessor técnico do Senar/GO, Carlos Eduardo Carvalho, a elevação do ágio para a reposição de bezerros e o aumento do custo de produção exigem um “gerenciamento bem delineado dentro da propriedade”. Ele ressaltou a importância do trabalho realizado pela Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) do Senar para auxiliar os produtores nesse processo.

Carlos Eduardo ApBR 31
Carlos Eduardo Carvalho

Equideocultura – Outro destaque do dia foi a equideocultura. O tema foi debatido pela assessora técnica da CNA, Marina Zimmermann, e pela presidente da Comissão de Equideocultura da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (FAEG), Ana Amélia Paulino.

Uma apresentação feita pela assessora técnica da CNA mostrou detalhes do setor que, segundo dados do Censo Agropecuário de 2017, conta com mais de cinco milhões de equinos, asininos e muares no Brasil. Os maiores rebanhos estão em Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do Sul, Goiás e Pará.

Marina Z ApBR 31
Marina Zimmermann

A revisão do estudo do Complexo do Agronegócio do Cavalo – elaborado pela CNA em parceria com a Esalq e o Ministério da Agricultura – apontou uma renda gerada de R$ 16,15 bilhões no ano de 2015, com mais de três milhões de pessoas ocupadas na atividade.

“A equideocultura é o braço da bovinocultura de corte e de leite. Os cavalos são essenciais para o manejo desses animais e os grandes protagonistas dentro das nossas fazendas. Foi através do lombo do cavalo que conseguimos abrir mais espaço para desenvolver a agricultura e a pecuária”, disse Ana Amélia Paulino.

Ana Amelia ApBR 31
Ana Amélia Paulino

Novidade – Uma das novidades dessa edição foi o quadro Ateg Senar Responde. O técnico de campo do Senar/DF, Eduardo Vilela, esclareceu a dúvida de um produtor sobre intensificação de pastagem. Ele explicou as etapas de análise de solo, nivelação e adubação da gramínea.

No espaço Agroup, foram apresentadas duas startups desenvolvidas em Goiás e na Bahia. O iRancho é um sistema criado para simplificar a gestão, aumentar a produtividade e garantir um melhor controle do rebanho. Já o e-rural é uma plataforma de negócios que oferece ao pecuarista oportunidades na aquisição e comercialização de animais.

Perguntas do público também foram respondidas no quadro “Agro Mitos”. O coordenador de Tecnologia da CNA, Reginaldo Minaré, explicou os benefícios do leite para a saúde humana.

As atrações culturais do sábado foram Cris Bel e Banda Stilo Xote (BA), Júnior Góis (GO), Deraldo Santos (BA) e Marcelo Henrique (GO), que se apresentaram no “Talentos da Nossa Terra”. Na gastronomia, destacada no quadro “Do Rural a Mesa”, o prato regional preparado pela chef Elivane Fernandes foi uma picanha assada no disco de arado com farofa de castanha de barú.

Elivane ApBR 31
Elivane Fernandes

Assista novamente a programação aqui.

A próxima edição do Agro pelo Brasil acontecerá nos dias 20 e 21 de novembro, em Brasília (DF), Salvador (BA), Itapetinga (BA), Goiânia (GO) e Ipameri (GO).

Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil

Fonte: CNA Brasil

Mais Notícias em Agronegócio

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes