Projeto Campo Futuro levanta custos de produção de soja, trigo e arroz no RS

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Projeto Campo Futuro levanta custos de produção de soja, trigo e arroz no RS


Brasília (02/06/2021) – A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com a Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul) e o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), realizou nesta semana três painéis de levantamento de custos de produção de soja, trigo e arroz no Rio Grande do Sul.

A iniciativa faz parte do Projeto Campo Futuro, que analisa as informações obtidas a partir da realidade produtiva apresentada pelos produtores. Desde o ano passado, os painéis são realizados em formato virtual, em razão da pandemia, obedecendo a normas de segurança sanitária.

Tupanciretã – Na segunda (31), foram analisados os custos de soja e trigo produzidos na safra 2020/2021. Dados preliminares revelaram destaque para a recuperação da produtividade das lavouras.

Em 2019, a falta de chuva reduziu as produtividades de soja para abaixo de 40 sacas/ha. Em 2020, as médias recuperaram e voltaram para perto de 60 sacas/ha. Segundo o assessor técnico da CNA, Fábio Carneiro, o resultado foi importante para equilibrar o passivo da safra passada, quando o resultado da lavoura apenas cobriu o custo operacional efetivo.

O trigo também registrou recuperação de produtividade e subiu de 43 para 55 sacas/ha. O plantio da nova safra se intensifica em junho de 2021 e o produtor deverá aumentar a área semeada em 2021.

Outra boa opção no ano passado foi o plantio de aveia branca. O resultado positivo também cobriu o custo total da cultura no rateio do painel de custo de produção, garantindo uma margem de 6,1%.

“Os produtores estão preocupados com o aumento do custo e do arrendamento para a safra que será plantada em setembro de 2021”, disse ele.

Camaquã – Pelo segundo ano consecutivo, o arroz alcançou boas produtividades e permitiu com que os orizicultores gaúchos pudessem recuperar os prejuízos que tiveram em safras passadas. Por outro lado, explica o assessor técnico da CNA, Thiago Rodrigues, o bom desempenho tem aumentado os preços dos arrendamentos.

“Os resultados foram bons. Segundo os produtores participantes foi um ano de recomposição de caixa. Para a próxima safra, porém, todos estão apreensivos em relação aos custos, principalmente pelo atual panorama de preços dos insumos”, afirmou Rodrigues.

Cruz Alta – Apesar da falta de chuvas na época de plantio e do atraso na semeadura, o desenvolvimento das lavouras de soja foi bom e resultou em boas produtividades finais. Em 2019, a região teve falta de chuvas no verão o que levou a baixa produtividade das lavouras. A soja BT/RR subiu de 32 sacas/ha para 66 sacas/ha.

“Os contratos fixados com preços entre R$ 80 e R$ 100, por saca, antes do plantio, reduziram o preço médio do produtor, que poderia ter tido melhores resultados com os preços atuais de soja”, explicou Fábio Carneiro.

O milho 1ª safra sequeiro, que é plantado mais cedo, foi o maior afetado. Nas áreas irrigadas com pivô central não houve perda de produtividade. A média do milho 1ª safra BT/RR irrigado foi de 235 sacas/ha, acima da produtividade da safra 2019/20, que ficou em 180 sacas/ha.

Em relação ao trigo, o produtor teve bom resultados na safra passada, o que incentiva a cultura na região em 2021. Conforme Carneiro, o cereal conseguiu pagar o custo total da atividade levantado no painel, o que dificilmente ocorria nos anos anteriores.

Assessoria de Comunicação CNA
Foto: Wenderson Araujo
Telefone: (61) 2109-1419
flickr.com/photos/canaldoprodutor
twitter.com/SistemaCNA
facebook.com/SistemaCNA
instagram.com/SistemaCNA
facebook.com/SENARBrasil
youtube.com/agrofortebrasilforte

Fonte: CNA Brasil

Mais Notícias em Agronegócio

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

canal no youtube

Mais recentes