Projeto na Apae Rebouças ultrapassa muros da escola

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Projeto na Apae Rebouças ultrapassa muros da escola


Em Rebouças, na região Sul do Paraná, a escola da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) teve sua rotina transformada pelo Programa Agrinho, desenvolvido há mais de duas décadas pelo Sistema FAEP/SENAR-PR. A professora Marilei Bochnia aproveitou o tema “Do campo à cidade: saúde é prioridade” da edição 2021 e implantou um projeto para estimular os cuidados com a saúde por parte dos alunos.

O trabalho com o Agrinho começou já nos primeiros meses deste ano, a partir da participação dos professores nos eventos online do Sistema FAEP/SENAR-PR e uso dos materiais didáticos com os alunos. Com o retorno das aulas presenciais, Marilei intensificou o trabalho colaborativo e mobilizou a comunidade para ajudar na missão de melhorar a vida dos alunos por meio do Programa Agrinho. “A ideia inicial era algo simples, mas o projeto tomou proporções enormes. Não tem mais como tirar o Agrinho da escola”, comemora a professora.

Um dos destaques do projeto é o “Painel da Saúde”, que reúne informações sobre a importância da água para o meio ambiente e para a vida humana. No painel, os alunos também utilizam tampinhas de garrafa PET para marcar quanto de água consumiram e se fizeram alguma boa ação para a saúde do planeta, como, por exemplo, escovar os dentes com a torneira fechada. Ainda, há a tampinha da ação negativa, que é utilizada para corrigir atitudes que causam o desperdício de água. No final do bimestre, os alunos que tiveram o melhor desempenho são reconhecidos e recebem prêmios.

“Começamos o painel com uma turma e agora já envolvemos toda a escola. Todos ficam muito empolgados com as marcações, além de ser um estímulo ao desenvolvimento das habilidades motoras, cognitivas e sociais. Os pais também passaram a estar mais presentes na rotina das crianças”, afirma a professora. “Nossos alunos têm um histórico de ne gligência e vulnerabilidade com essas questões de saúde. Por isso é um projeto muito importante para toda a família participar”, complementa.

Agrinho no palco

Outra ação da professora Marilei que se sobressaiu entre os alunos foi a produção de teatros com participação do Agrinho como narrador – em formato de fantoche reciclável. O sucesso foi tanto que o personagem já foi adotado como mascote oficial das peças teatrais da escola. “Os teatros são focados na saúde do campo, cuidados com a água, saúde bucal, alimentação saudável, educação física, enfim, uma série de temas interligados”, elenca a professora.

Além dos teatros, o projeto da Apae de Rebouças incluiu produção de vídeos, palestras com profissionais da área e a criação do aplicativo “Agro e saúde” para compilar os materiais produzidos e facilitar a divulgação do projeto – que, até então, estava acontecendo por meio das redes sociais e grupos do WhatsApp. A repercussão na comunidade foi tamanha que, inclusive, outras escolas do município se interessaram.

“Foi uma mobilização que ultrapassou a escola e a família. Estamos sendo convidados para apresentar os teatros nas escolas regulares. Elas também entraram em contato querendo reproduzir o projeto e adaptá-lo para seus alunos. Isso é maravilhoso, pois conseguimos transcender os muros da escola e atingir as diversas esferas da sociedade”, destaca. Agora, com o trabalho já consolidado na Apae de Rebouças, o objetivo da professora Marilei é dar continuidade nos anos seguintes, implantando novas ações e estendendo as atividades para a rede escolar do município.

“Nós vemos a mudança na vida dos alunos. Eles têm vontade de vir para a escola e querem participar das atividades. As famílias também comentam a mudança positiva, uma motivação a mais, já que a família é importante no núcleo escolar”, salienta. “Um programa como o Agrinho, que permite a realização de projetos como esse, é uma contribuição fundamental para a educação”, conclui.

Concurso terá premiação no dia 18 de novembro

A edição 2021 do Concurso Agrinho recebeu 4.892 inscrições. As próximas etapas envolvem a triagem dos trabalhos, a avaliação por uma banca e o evento de premiação, marcado para 18 de novembro.

Os trabalhos do Concurso Agrinho são fruto da mobilização que ocorre anualmente nas redes de ensino público e privado no Paraná. Alunos que frequentam as escolas de ensinos Fundamental e Médio elaboram trabalhos (desenhos e redações), assim como os professores executam suas experiências pedagógicas.

No dia 18 de novembro, durante o evento de premiação que será online, alunos e professores premiados irão receber notebooks, tablets, smartphones, projetores multimídia, fones com microfone e computadores.

O evento online será transmitido pelas redes sociais do Sistema FAEP/SENAR-PR.

Fonte: CNA Brasil

Mais Notícias em Agronegócio

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

canal no youtube

Mais recentes