Greenfield aciona 13 pessoas por danos causados a fundos de pensão

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Greenfield aciona 13 pessoas por danos causados a fundos de pensão


A força-tarefa Greenfield apresentou três ações de improbidade administrativa para reparar os danos causados aos fundos de pensão Petros, Previ e Funcef – que gerencia a previdência de funcinários da Caixa – no caso dos aportes realizados no Fundo de Investimento em Participações Brasil Petróleo 1 (FIP BP1), entre 2011 e 2016.

Ao todo, 13 pessoas devem responder civilmente pela gestão temerária dos fundos e, se condenadas, deverão pagar cerca de R$ 800 milhões como devolução do prejuízo, reparação dos danos morais coletivos e sociais difusos gerados.

As investigações revelaram que, entre 2011 e 2016, os fundos de pensão decidiram adquirir participação acionária em companhias brasileiras pertencentes à cadeia produtiva de suprimento de bens e serviços para a indústria de petróleo e gás. Foi quando ocorreu a adesão ao FIP Brasil Petróleo 1. Os investimentos realizados no FIP, totalizando R$275 milhões pelos três fundos, foram depois direcionados para três companhias: Brasil Petróleo Participações (em que houve perda de 100% do valor aplicado), Deepflex e Poseidon.

Procurador da Força-Tarefa Greenfield anuncia saída do cargo

A força-tarefa Greenfield sustenta que, ao aprovarem a aquisição das cotas do FIP BP1, os gestores dos fundos de pensão agiram de forma irresponsável, não respeitaram princípios de segurança e rentabilidade, nem normas internas dos próprios fundos. A falta de uma análise séria dos riscos envolvidos nas aplicações expôs os participantes a prejuízos desnecessários e evitáveis. Para os procuradores, os investigados detinham, sem nenhuma dúvida, qualificação e conhecimentos técnicos e práticos que permitiam observar, com clareza, a temeridade do investimento que realizaram.

As peças provam ainda que a Brasil Petróleo Participações e a Deepflex do Brasil foram constituídas com o único objetivo de possibilitar aportes na companhia americana Deepflex Inc. Acontece que o regulamento do próprio FIP vedava aportes em empresas estrangeiras, o que evidencia a manobra das duas companhias brasileiras para “legalizar” o investimento na indústria americana.

Quanto à Poseidon – empresa nova no mercado de apoio marítimo – também foi verificada a falta de análise nos processos de precificação e de retorno das cinco embarcações adquiridas pela organização. Também nessa ocasião, os gestores dos fundos omitiram-se ao não produzir estudos envolvendo os riscos próprios de investimentos do tipo.

A Greenfield é atualmente responsável por 49 ações penais e 32 ações de improbidade, ajuizadas em face de 171 denunciados/requeridos pessoas físicas e 29 pessoas jurídicas, bem como pela gestão de acordos de leniência, de colaboração e de reparação de danos. Nesse contexto, foram acordados o pagamento de mais de R$ 11,9 bilhões de reais no total (valores atualizados segundo IPCA de setembro/2020). 

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Fonte: R7

Mais Notícias de BRASIL

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes