Sintomas importam mais do que teste, diz médico sobre Bolsonaro

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Adriano Machado/ REUTERS 23.07.2020

Sintomas importam mais do que teste, diz médico sobre Bolsonaro


.

Após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ter publicado em suas redes sociais, neste sábado (25), que o resultado de um novo exame para covid-19 deu negativo, médicos infectologistas afirmam que os sintomas apresentados são mais importantes do que os testes.

Nas redes sociais, Bolsonaro afirmou ter realizado o RT-PCR para Sars-Cov 2.  Diagnosticado no dia 7 de julho com a covid-19, Bolsonaro havia feito outro exame na última terça-feira (21). O resultado, divulgado na quarta-feira, havia sido positivo.

O segundo teste foi feito no dia 15 de julho e o terceiro, no último sábado (18). Ambos resultados foram positivos. “Mais importante do que o teste é o tempo desde o início dos sintomas e a evolução clínica da doença”, Francisco Ivanildo de Oliveira Júnior, infectologista, supervisor médico do ambulatório do Hospital Emílio Ribas.

O infectologista explica que uma pessoa costuma trasmitir a doença entre o 10º e o 14º após o início dos sintomas. “Se depois de 14 dias ele não tem sintomas, não está mais transmitindo.”

Oliveira Júnior explica ainda que o retorno às atividades, como o trabalho, não estpa relacionado à realização de testes. “O mais importante é o desaparecimento dos sintomas”, afirma. “A presença do resultado positivo não é um indicativo da transmissibilidade.”

Caso o presidente estivesse com sintomas, o teste, ainda que com resultado negativo, não seria significativo, segundo o infectologista. “Poderia ser um falso negativo.”

Segundo informações, o presidente tem se mostrado disposto, feito passeios diariamente dentro do Palácio da Alvorada. Desde o início do isolamento, a agenda tem sido realizada por meio de videoconferência. “No caso do presidente, ele apresentou um quadro leve e não precisou ser internado. Assim, não utilizamos o teste como critério único.”

O infectologista explicou ainda que Bolsonaro não precisaria realizar um segundo teste para ter um diagnóstico definitivo. “Isso criaria uma falsa sensação na população de que precisa se realizar testes constantemente.”

Adriano Machado/ REUTERS 23.07.2020
Fonte: R7

Mais Notícias de BRASIL

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes