Tecnologia do Serpro facilitará entrada de brasileiros nos EUA

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Tecnologia do Serpro facilitará entrada de brasileiros nos EUA


A entrada de brasileiros nos Estados Unidos ficará muito mais fácil, ágil e segura a partir de novembro deste ano. Isso porque os governos brasileiro e norte-americano firmaram acordo para adesão do Brasil ao Programa Global Entry, que permite o ingresso dos cidadãos nos EUA sem passar por filas de imigração nos aeroportos, reduzindo o tempo de acesso ao país. A tecnologia que viabiliza a liberação rápida dos viajantes foi desenvolvida pelo Serpro e já está disponível para uso da Secretaria da Receita Federal do Brasil e do Departamento da Polícia Federal. O Global Entry foi implantado no sistema eDBV – Declaração Eletrônica de Bens do Viajante e possibilita o controle dos passaportes na chegada aos EUA e a análise de risco das declarações.

“A solução Global Entry foi construída dentro do Sistema eDBV com o uso do motor de regras. Dessa maneira, a Receita Federal tem total flexibilidade de configurar, por meio de regras, quais perfis serão ou não aceitos para participar do programa”, explica o analista de desenvolvimento Rodrigo Rocha de Moraes, que atua no Domínio de Logística e Processos Aduaneiros do Serpro.

Segundo Rodrigo, como o fluxo completo de uma análise de risco do eDBV é complexo, a tecnologia foi projetada com o objetivo de descomplicar o uso da solução por meio de uma interface de comunicação leve e com ciclo de vida claro. “O fluxo de processamento de um pedido de avaliação é baseado em mensageria, com etapas assíncronas, leves e situações bem definidas, seguindo as melhores práticas de sistemas baseados em microsserviços. Dessa maneira, a solução tira vantagem do uso da nuvem do Serpro, o Estaleiro”, complementa o analista, ressaltando, ainda, que “a preocupação com a segurança foi fator primordial, desde o princípio. Criamos canais seguros de comunicação entre os sistemas, além de mecanismos de autenticação mútua com certificado digital”.

Menos tempo nas filas da Alfândega

O “Global Entry” não substitui a exigência de visto, mas permite a liberação rápida no controle do passaporte. Os interessados podem fazer o trâmite de ingresso nos EUA de maneira desburocratizada por meio de quiosques automáticos, sem contato com o agente de imigração, evitando a necessidade de passar pela fila de controle migratório. Para aderir ao programa, o viajante precisa pagar uma taxa de 100 dólares à Autoridade de Proteção de Fronteiras e Alfândega do Departamento de Segurança Doméstica dos Estados Unidos da América – Customs and Border Protection (CBP). A taxa tem validade de cinco anos, quando pode ser realizada a renovação.

A solução desenvolvida pelo Serpro tem por fim subsidiar a decisão do CBP, a quem cabe a responsabilidade exclusiva de aceitar ou recusar a inscrição no programa Global Entry. Compete à Polícia Federal, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, e à Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil, do Ministério da Economia, encaminhar manifestação conjunta, positiva ou negativa, sobre o preenchimento dos critérios para ingresso no programa pelos cidadãos brasileiros interessados.

A manifestação feita pelo Governo Brasileiro deve ser composta por uma única resposta em nome da PF e da RFB. Para tanto, foi construída a solução tecnológica para automatizar o fluxo de análises. Por definição, a Polícia Federal fará a interface com o CBP, recepcionando os pedidos de análise, executando sua própria análise, encaminhando tais pedidos para análise por parte da RFB e, por fim, consolidando ambas as análises e retornando o resultado final (positivo ou negativo) para o CBP.

Etapas do Programa

O Decreto 10.268 estabelece que a implementação do programa Global Entry ocorrerá em três etapas. Na primeira fase, o programa seria disponibilizado para até 20 convidados participantes do Fórum de Altos Executivos Brasil-EUA, sem o auxílio de sistema informatizado, com a finalidade de identificar as necessidades técnicas e operacionais para a implementação plena do programa. Na segunda fase, o programa será disponibilizado para uma quantidade limitada de interessados, com a finalidade de testar o funcionamento e a operação do sistema informatizado. Na terceira fase, será disponibilizada a novidade para todos os cidadãos brasileiros interessados.

Conforme a analista de negócio Denise Almeida, que atua na Superintendência de Relacionamento com Clientes Econômico Fazendário do Serpro, “Quando estiver em plena execução, o Global Entry facilitará os trâmites nos EUA para brasileiros inscritos no programa, o que garantirá maior fluidez nas viagens, principalmente, de negócios”.

Acordo de parceria

A participação do Brasil no programa é uma reivindicação antiga dos setores privados brasileiro e norte-americano. Em 2019, foi negociada a declaração conjunta entre os dois países, permitindo que se anunciasse oficialmente, por ocasião da 10ª reunião do Fórum de Altos Executivos Brasil – Estados Unidos, o “CEO Fórum”, em novembro de 2019, em Washington, o primeiro passo concreto para a implementação do programa. Além do Brasil, outros 11 países participam do “Global Entry”, como Inglaterra, Suíça, Alemanha, Reino Unido, Índia, Coreia do Sul, México, Panamá, Singapura, Taiwan e Colômbia.

Com informações do SERPRO

 

Fonte: Brasil.gov

Mais Notícias de BRASIL

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
  • Facebbok
  • Twiter
  • Youtube
Área de comentários
Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

canal no youtube

Mais recentes