Instituto defende acesso do setor mineral às áreas de fronteiras

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Instituto defende acesso do setor mineral às áreas de fronteiras


.

O Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) defendeu hoje (21), para o período pós-pandemia do novo coronavírus, a concentração de esforços para maior acesso do setor mineral ao território, principalmente às áreas de fronteiras, além de processos de licenciamento ambiental específicos para acelerar os projetos de mineração, a exemplo do que existe atualmente para o setor de petróleo. O presidente do Conselho Diretor do Ibram, Wilson Brumer, observou, em coletiva pela internet, que a instituição defende projetos que sejam focados em sustentabilidade e no tratamento adequado da natureza.ebc

“O Brasil precisa se conhecer mais sob o ponto de vista da geologia. O país pouco conhece do seu subsolo”, apontou Brumer. Ele acredita que os juros baixos praticados hoje no Brasil e a inflação sob controle são fatores de atração de investidores que vão desejar aplicar recursos em pesquisas em geologia.

O instituto defende também a renovação e novas concessões em ferrovias para que o país possa recuperar investimentos nessa área, que envolve distâncias longas e cargas densas. Com estrutura adequada, Brumer considerou que o Brasil pode obter ganhos em termos de competitividade para atender o potencial mineral que possui. “As ferrovias são fundamentais nesse contexto”, manifestou. Segundo o Ibram, as ferrovias podem viabilizar investimentos privados da ordem de R$ 55 bilhões.

Unidade de Tratamento de Minérios da UTM, em CaldasUnidade de Tratamento de Minérios da UTM, em Caldas

Unidade de Tratamento de Minérios da UTM, em Caldas – Camila Forlin – Divulgação INB

Faturamento

O faturamento do setor mineral, excluindo petróleo e gás, atingiu R$ 39,22 bilhões no segundo trimestre deste ano, alta de 9% em comparação ao primeiro trimestre de 2020 (R$ 36,05 bilhões). Quatro estados responderam por 92% do faturamento, liderados por Pará (43%); Minas Gerais (38%); Bahia e Goiás (3,3%). Somente Pará e Minas Gerais concentram 81% do faturamento do setor. Segundo afirmou Wilson Brumer, isso demonstra necessidade de o Brasil investir mais em pesquisa mineral para conhecer o potencial do seu território.

A principal substância mineral no faturamento do segundo trimestre foi o minério de ferro (R$ 23,28 bilhões), com participação de 59,3% na receita total do período. Em seguida, aparecem o minério de ouro, com 13,7% e R$ 6 bilhões, e o minério de cobre, com 8% e R$ 3 bilhões.

A participação do setor mineral no Produto Interno Bruto (PIB, que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país) permaneceu estável em torno de 4%, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral do Ministério de Minas e Energia. Esses 4% incluem a contribuição dos segmentos de extração mineral e transformação mineral (metálicos e não metálicos), além de petróleo e gás.

CFEM

No segundo trimestre de 2020, foram recolhidos pelo setor mineral R$ 12,4 bilhões em impostos, encargos e taxas para o setor público, além de R$ 1,1 bilhão da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), o que resultou no total de impostos pagos da ordem de R$ 13,5 bilhões. No trimestre anterior, foram pagos R$ 12 bilhões, incluindo tributos e CFEM.

Segundo o Ibram, a arrecadação da CFEM no 2º trimestre de 2020 foi inferior em cerca de 10% ao de igual período do ano passado, mas 6,3% maior na comparação com o primeiro trimestre deste ano. 

Por substância, o principal arrecadador da CFEM foi o minério de ferro, com participação de 73,6% (R$ 802 milhões). Do total de 88 substâncias, quatro responderam por 90% do valor arrecadado. Além do minério de ferro, aparecem ouro, com cerca de 7% (R$ 81 milhões), cobre (cerca de 5% e R$ 60 milhões) e minério de alumínio (cerca de 3% e R$ 38 milhões).

Exportações

As exportações de minério de ferro, considerado o carro-chefe das vendas externas minerais do Brasil, somaram US$ 4,85 bilhões no segundo trimestre deste ano, aumento de 6,1% sobre o trimestre anterior, mas o resultado ficou 5% menor que o do mesmo período de 2019. Em volume, os 76,61 milhões exportados mostraram avanço de 8,4% em relação ao primeiro trimestre deste ano, embora com redução de 3% sobre o segundo trimestre do ano passado.

O segundo produto da exportação mineral brasileira no período analisado foi o ouro. As exportações desse minério corresponderam a 15% da vendas externas do setor em valores de venda, somando quase US$ 1,1 bilhão, 11% acima do valor registrado no primeiro trimestre de 2020 e 32,5% superior ao do segundo trimestre de 2019. “Tem a ver com o preço do ouro, que teve valorização substancial devido à pandemia”, comentou o diretor presidente do Ibram, Flávio Ottoni Penido. O ouro é considerado um ativo de segurança em valor, quantidade e demanda.

Em volume, as exportações de ouro somaram quase 23 toneladas, mostrando ligeira retração (-0,4%) em comparação ao primeiro trimestre deste ano, mas com elevação de 2% sobre o segundo trimestre do ano passado.

Em termos de importações, os produtos mais importados pelo Brasil no segundo trimestre de 2020 foram carvão mineral e potássio, este usado principalmente para fabricação de fertilizantes. Embora tenha reconhecido que o carvão mineral produzido no sul do país não tem boa qualidade para ser usados nas aciarias do setor, Brumer defendeu que o país precisa aumentar a produção interna desses produtos. “É preciso desenvolver potássio para suprir a nossa agricultura que, junto com o minério de ferro, é o carro-chefe das exportações do país”.

O balanço apresentado pelo Ibram revela que as exportações minerais representaram 13,9% das exportações brasileiras no segundo trimestre de 2020, correspondendo a US$ 7,4 bilhões. O saldo do setor mineral, de quase US$ 6 bilhões, representou cerca de 33% do saldo Brasil no período, de US$ 18 bilhões.

Investimentos

Wilson Brumer afirmou que não houve alteração no programa de investimentos projetados pelo setor para o período de 2020 a 2024, que permanece da ordem de US$ 32,5 bilhões, aos quais se somam outros US$ 2 bilhões direcionados à segurança de barragens de rejeitos, descomissionamento e descaracterização de estruturas, conforme determina a legislação. O setor mineral não tem feito demissões, a não ser casos pontuais. Os cronogramas que foram adiados em função da pandemia, são recuperáveis segundo informações recebidas das empresas, completou o presidente do Conselho Diretor do Ibram.

Perspectivas

Wilson Brumer acredita que o ano de 2020 mostrará estabilidade em relação a 2019, quando o faturamento do setor mineral nacional foi de R$ 153,4 bilhões. O preço das commodities minerais deverá permanecer estável, o que levará a um faturamento similar ao do ano passado, avaliou.

O diretor presidente do Ibram, Flávio Ottoni Penido, estimou que na fase pós-pandemia, o setor da construção civil, que integra o mercado agregado da indústria da mineração, apresenta potencial para a geração de empregos e para as áreas de infraestrutura e saneamento, o que deve “esquentar a demanda”.

Brumer afirmou ainda que, com essa pandemia, “a gente aprendeu a forma de nos aproximarmos da comunidade e nos comunicarmos melhor”. Reconheceu que após as tragédias de Brumadinho e Mariana, o processo de recuperação da imagem do setor de mineração brasileiro será lento e se dará com ações concretas e objetivas. “A imagem do setor perante a comunidade tem melhorado, mas ainda há um longo caminho a percorrer”, admitiu.

Assegurou que com sustentabilidade, governança, segurança operacional e financiabilidade, a indústria da mineração é essencial para a recuperação econômica do país.

Edição: Bruna Saniele

Mais Notícias de ECONOMIA

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes