Cortei meu cabelo em uma videochamada com um cabeleireiro e amei o resultado

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Cortei meu cabelo em uma videochamada com um cabeleireiro e amei o resultado

source

Nos últimos meses, tivemos de readaptar diversas atividades que foram retiradas de nós pelo coronavírus. O termo “novo normal” vem se popularizando e parece querer dizer que, a partir de agora, a vida será feita de simulações virtuais do que considerávamos ser a realidade, o nosso normal.


itens para cortal o cabelo
Mariana Mazzoni

Esses foram os materiais que eu separei para o corte, mas acabei usando só a tesoura e o pente azul


Desde que eu entrei na quarentena, o normal que mais me fez falta foi a possibilidade de ir até um salão cortar meu cabelo. Por isso, mesmo sabendo que ainda não conseguimos simular a mão do outro virtualmente, mergulhei na ideia de cortar meu cabelo por videochamada com um cabeleireiro profissional me supervisionando.

O cabeleireiro que entrou comigo nessa foi o Thiago Braga, que trabalha no salão Celso Kamura da Consolação, no centro de São Paulo. Ele cobra 100 pela assessoria no corte.

Acessórios para cortar cabelo em casa

Quando nós estávamos marcando um horário, Thiago me disse que eu precisaria de um pente, uma tesoura e uma toalha ou capa. Ele também se ofereceu para me enviar algum dos itens caso eu precisasse – tudo bem, já tinha tudo em casa.

Logo antes de fazer a ligação, separei também algumas “piranhas” para prender o cabelo e mais de um tipo diferente de pente. No fim, só usei mesmo a tesoura e o pente maior. Ah, mas a toalha eu esqueci mesmo – se você for cortar o cabelo em casa  recomendo que use (ou uma capa, caso tenha) para não ficar se coçando por conta das pontas que caem dentro da roupa. Sofri com essa coceira.

cabelo antes
Mariana Mazzoni

Meu cabelo estava assim, há aproximadamente 5 meses sem corte

Tesoura a postos!

Quando finalmente chegou a hora e entramos na videochamada, expliquei para o Thiago como queria meu cabelo. A ideia era tirar uns quatro dedos do comprimento e, bom, meu corte atual era um pouco maior na frente que atrás, mas não sabia se seria capaz de manter isso sozinha. O profissional deu uma risadinha da minha cara ao ouvir a minha ideia, mas pareceu confiante no meu potencial!

Começando o corte efetivamente, Thiago me instruiu a deixar o cabelo solto mesmo, o que mais me surpreendeu – não precisei dividir meu cabelo nem prender nenhuma parte. Começamos com a mecha da frente e eu fui usando essa parte como guia para cortar as mechas seguintes, até chegar lá atrás. 

Em geral, não teve muito segredo, foi muito sensorial, mas em alguns momentos parecia que não ia dar certo. Fui cortando da forma que me agradava e acertando os fiapos que ficavam pelo caminho.

cortando o cabelo
Mariana Mazzoni

Eu e Thiago no meio do processo. Confesso que nesse momento parecia que nada ia dar certo

O mais complicado de cortar cabelo em casa

Acredito que a parte mais difícil tenha sido a da nuca, especialmente para quem tem cabelo curto como eu. Por sorte, no banheiro da minha casa tem uma porta de espelhos que serviu pra eu ver a parte de trás da minha cabeça. E, claro, o Thiago checava como estava ficando a todo momento.

Outra dificuldade que eu tive foi a de usar a tesoura de trás para frente ou com a minha mão esquerda (por ser destra). A lâmina fica em um ângulo diferente e eu não conseguia acertar para que ela cortasse. Não sei se isso acontece com todos ou se é uma limitação pessoal, mas por conta disso o Thiago sugeriu que eu usasse uma lâmina de barbear em alguns momentos.

Repicado e movimento? Temos!

No fim, ele me ensinou algumas técnicas para repicar o meu cabelo e dar mais movimento ao corte e… tcharãn! Chegamos ao consenso de que estava finalizado. “Acho que você leva jeito”, disse o cabeleireiro. 

cabelo depois
Mariana Mazzoni

Depois de tudo, meu cabelo ficou assim, bem n altura do maxilar, como eu gosto


Conclusão

Tenho uma tendência a gostar de fazer essas coisas em casa – eu mesma pinto o meu cabelo e no primeiro mês do isolamento social já tinha me arriscado na ” franjinha quarentener ” sozinha -, então a experiência foi incrível e muito divertida. Ter achado um profissional que abraçou essa loucura e se divertiu junto comigo no processo também foi muito importante.

Quando brinquei com o Thiago sobre ele estar me incentivando a nunca mais pisar em um salão e acabar com a profissão dele, ele me respondeu: “Eu incentivo mesmo, porque eu acho muito legal, amo cortar meu próprio cabelo e acho que todo mundo devia tentar. Cabelo é sobre se sentir bem, se estiver errado e torto, não importa. O que importa é você gostar”.

Cabelo é cabelo, no fim cresce e você pode mudar de novo. Caso esteja se sentindo muito insegura, faça como eu e busque um especialista de confiança para te ajudar nessa. 

Fonte: IG Mulher

Mais Notícias em Mulher

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes