Déia Freitas: “Sempre quiseram criminalizar as coisas que eu faço”

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Déia Freitas: “Sempre quiseram criminalizar as coisas que eu faço”


source
Déia Freitas do podcast
Reprodução/Instagram e Twitter
Déia Freitas do podcast “Não Inviabilize”

O nome de Déia Freitas, 46 anos, criadora do podcast “Não Inviabilize”, tem circulado nas redes sociais e as mídias desde segunda-feira (9) quando  anunciou uma vaga de assistente de roteiro para o programa. Além do valor oferecido com bônus, outro fator que contribuiu para a repercussão foi o fato dela ter disponibilizado a  vaga somente para mulheres cis, trans e travestis, além de pretas, pardas e indígenas.

Desde então ela já foi acusada de ser laranja de um homem (o criador original do podcast que permanece desconhecido, segundo algumas postagens no Twitter), lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e de estar excluindo homens e pessoas brancas. Mas afinal, o que Déia Freitas fez de errado?

A vaga

Déia tem como inspiração sua família na criação da vaga. Orfã de pai desde os 12 anos e de mãe desde os 16, ela foi criada por sua tia Margarida, que trabalhava em uma fábrica em Santo André, cidade da Grande São Paulo onde nasceu e cresceu, e esta mulher brigou pelo direito das minorias, contratando diversas mulheres trans e travestis, tirando-as da prostituição.

Em seu Twitter, ela comentou a importância da vaga: “Só p/ dizer a importância da vaga, recebi textos muito bem escritos de travestis pretas e indígenas q hoje são profissionais do sexo pq não tiveram outra opção, mulheres pretas c/mestrado q são faxineiras, mulheres pretas pcd c/textos incríveis q nunca conseguiram vaga. sacou?”

“Uma pessoa branca, com visibilidade nas redes sociais, ela é tratada de um jeito. Uma pessoa parda como eu é tratada de outra forma. Então sempre rolou um querer criminalizar as coisas que eu faço. Do tipo: “Ah, mas se ela está atraindo tanta atenção, alguma coisa tem”, ou “se ela está tendo destaque, alguma coisa tem”, diz Déia ao iG Delas.

A mulher negra raivosa

Um ponto que chama atenção e está em discussão há algum tempo é o  estereótipo de raivosa  que as pessoas tem sobre as mulheres negras – Karol Conká e Lumena Aleluia ilustraram esse debate no BBB 21 . “Só para você ter um gostinho do que é a minha vida, a primeira foto que eu publiquei no Instagram depois do podcast, têm muitos comentários com “nossa, achei que você loira”, “não imaginava que você era assim”, “meu Deus, não consigo associar essa sua imagem ao podcast”. De onde vem isso? Por que ninguém consegue associar a minha imagem a um podcast de sucesso?”, questiona.

Comento que percebi uma postura mais silenciosa e calma da podcaster que no Twitter e me desculpo logo em seguida pelo “calma”. Déia comenta: “Não, mas é essa imagem mesmo. Parece que eu não sou uma pessoa calma porque sou reativa. As pessoas me xingam, me ofendem e eu vou ficar quieta? Não vou ficar quieta. Mas hoje teve toda essa orda dos seguidores do Bolsonaro por conta da matéria da Folha, tem um monte de gente me xingando lá. Até minha franja estão xingando! Melhor que ficar na minha”, diz. 

Sucesso e hate

Foi no Twitter que o “Não Inviabilize” deu seus primeiros passos até se tornar o podcast de sucesso que é hoje, ficando atrás somente do “Mano a Mano”, apresentado por Mano Brown. Déia traz muitas características que geram incômodo: ela é mulher, parda (como se identifica) e de esquerda.

Leia Também

“Eu estou no Twitter há 13 anos. Nesse período, teve uma vez que eu sofri um ataque de um enxame de abelhas na minha rua. Vieram os bombeiros, a polícia, morreram cachorros aqui da minha rua, um gato meu morreu. Todos os meus cachorros foram internados e então uma amiga do Twitter fez uma vaquinha para mim. Com isso, as pessoas que já me odiavam, falaram que eu não tinha sido picada por abelhas, que na verdade não tinha acontecido nada e a gente estava fraudando”, conta.

Leia Também

Essa não foi a primeira acusação que Déia recebeu naquela rede. Quando fez algumas ações sociais com o padre Júlio Lancelotti, arrecadando donativos como sabão e meias, as pessoas falavam que ela venderia os itens. “Sempre rolou esse hate e eu acho que isso é porque eu tenho um bom engajamento. Isso eu sempre tive, não sei nem por que, mas eu sempre tive um bom engajamento no Twitter e não sei o que isso desperta. Algumas pessoas ficam com raiva”, diz.

Leia Também

Carreira

Déia é psicóloga de formação e foi a primeira da sua família (“pelo lado do pai e pelo lado da mãe”) a ter uma graduação. “Só consegui fazer porque eu trabalhava na faculdade. Consegui um emprego de assistente administrativo lá porque dava o direito a estudar de graça. Se não, eu também não ia conseguir”.

Leia Também

Leia Também

Déia nunca trabalhou na área porque não tinha dinheiro para investir na profissão. Por um tempo ela trabalhou na área de moda, com a ONG “Programa feminino de desenvolvimento social do ABC”, em Santo André, Grande São Paulo, onde nasceu e cresceu. A primeira oportunidade de mudar para a área de roteiros surgiu quando Ju Wallauer e a Cris Bartis, do podcast “Mamilos”, a convidaram para escrever os textos de histórias que chegavam para o programa. Elas gostavam do trabalho da psicóloga como contadora de histórias em texto na rede social.

Foi a podcaster Priscila Armani – “Sexo explícito”, “uaiPod” e “O Que Assistir” -, que em 2019 incentivou Déia a criar uma conta para o “Não Inviabilize” no Telegram e contar as histórias que recebia em áudio. Isso durou um ano inteiro, até Priscila convencê-la a entrar de vez no mundo dos podcasts, onde desde então tem sido um sucesso crescente.

Plágio, pirâmide e laranja de homem

Muitos seguidores brincam que indicar o programa é quase um programa de pirâmide, onde um vai recomendando para o outro e, de repente, todas as pessoas do mesmo ambiente estão escutando e incentivando outras a começar. Déia é quase uma Juliette do mundo dos podcasts e seus fãs os cactos, já que a maioria veste a camisa da podcaster quando casos como esse da vaga acontecem.

A situação de plágio que Déia já enfrentou é outro exemplo de seus defensores fieis. “Plágio de pessoas brancas sempre. Que depois se vitimizam e me chamam de raivosa e agressiva. ‘Nossa, não precisava de tudo isso.'” Mas ela também precisou de auxílio legal para resolver essas questões. Enquanto as obras de plágio foram removidas, a vaga ainda está sendo observado os próximos passos junto a advogado.

Um dos confeitos do bolo de acusações também é de que Déia é laranja (pessoas ou empresas utilizadas para ocultar, da fiscalização do Governo, bens e patrimônios de origem ilícita) de um homem anônimo. Outras de que o podcast é, na verdade, do editor contratado por ela, o Léo Mogli.

Livro e série

Mas nem tudo é ruim no cenário de Déia. Apesar de ter o e-mail da vaga em um período temporário, ela disse que recebeu tantos currículos bons e agradecidos que está viabilizando formas de empregar essas pessoas, fechando parcerias com ONGs, já que não pode contratar todo mundo.

Além disso, ela conta que ainda em 2022 vai sair uma série ao estilo de “Modern Love”, pela produtora Fábrica, com histórias já selecionadas. Os quadros “Picolé de limão”, com histórias onde tudo parecia que ia dar certo, mas terminam amargas, e o “Luz Acesa” (história de terror) também vão ganhar um livro.

Fonte: IG Mulher

Mais Notícias em Mulher

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
  • Facebbok
  • Twiter
  • Youtube
Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin
Área de comentários

canal no youtube

Mais recentes