Dia da Consciência Negra: filmes com protagonistas negras para ver hoje

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Dia da Consciência Negra: filmes com protagonistas negras para ver hoje


source
Reprodução/Instagram

“A felicidade por um fio”


protagonismo negro em filmes ainda é tema de observação e diálogo sobre representativadade. Apenas 20% dos filmes em Hollywood são estrelados por negros, de acordo com o acompanhamento do departamento de ciências sociais da UCLA. Todos os anos eles divulgam um relatório sobre a evolução da representatividade no cinema norte-americano, indicando a porcentagem de protagonistas negros e femininos em Hollywood, além da presença negra e feminina  por trás das câmeras.

O cinema negro (que coloca personagens afrodescendentes como protagonistas, onde suas vidas são o foco da narrativa) nasceu em 1905 – 10 anos depois do surgimento do cinema em Paris. Antes do movimento, as pessoas negras sempre eram retratadas como objetos ou alvo de ridicularização, como o black face, por exemplo. 

Em 2020, a academia do Oscar divulgou uma série de mudanças – chamadas de cotas raciais e gerando muita controvérsia. Entre elas, é de quem pelo menos um dos protagonistas seja uma pessoa negra ou de outro grupo étnico. Elas estão previstas para valer a partir do ano que vem (2022) e, com isso, os serviços de streaming podem sair na frente, já que eles passaram a ser aceitos como candidatos à premiação. Além disso, as plataformas de séries e filmes que já têm produções próprias estão, há alguns anos, investindo pesado em diversificação e representatividade nos elencos.

Separamos alguns filmes com mulheres negras no centro da narrativa e que, não necessariamente, abordam situações de escravidão e sofrimento.

Good Hair (2009)

Produzido e estrelado por Chris Rock, o comediante mergulha no mundo dos cabelos das afro-americanas. O filme coloca em discussão não apenas o que se entende como “cabelo bom” (o tal good hair ao qual se refere o título), como o cabelo das mulheres negras acabo alimentando uma indústria que faz girar milhões de dólares ao ano.

Felicidade por um fio (2018)

A produção é original da Netflix e é uma comédia romântica baseada em um livro. Violet (Sanaa Lathan), tem uma vida aparentemente perfeita: ela é bem-sucedida em seu trabalho como publicitária, está com o namorado dela, Clint (Ricky Whittle) e tem uma rotina de beleza dedicada, que inclui alisar o cabelo metodicamente todos os dias. Depois de não ser pedida em casamento e encerrar a relação, ela busca se encontrar de verdade, sem maquiagens e até sem cabelo, descobrindo sua beleza natural e encontrando o amor.

Leia Também

Leia Também


Estamira (2004)

O documentário leva o nome da personagem principal, uma senhora com distúrbios mentais que vivia e trabalhava em um lixão com seus amigos. Ao longo do filme, Estamira filosofa sobre problemas sociais como o destino dado ao lixo das grandes metrópoles e como viver em condições lamentáveis.

Apesar de ser de 2004, o filme dialoga com a realidade de crescimento da pobreza extrema do Brasil de 2021. Ao mesmo tempo, mostra a sabedoria provocadora de Estamira, uma Zaratustra contemporânea talvez mais ousada que o personagem de Nietzsche.

Chiraq (2015)

Dirigida por Spike Lee, essa adaptação do drama grego Lisístrata, de Aristófanes, é ambientada na cidade de Chicago do século 21. A cidade, que foi fundamental para os movimentos de trabalhadores e movimento negro ao longo do século passado, aparece como palco de uma violenta disputa gangues. É um bom filme para pensar a violência urbana por uma perspectiva feminina, o lado das mulheres que enterram seus filhos, irmãos e companheiros. 

Fugindo do amor (2021)

Esta comédia romântica estrelada por Christina Milian, conta a história de Érica, uma mulher que sonha em ser cantora e perde o que considera sua grande oportunidade, enquanto tenta curar o próprio coração partido. Contra sua vontade, ela aceita a dica de uma amiga de trabalhar como cantora em um resort de luxo. O que ela não espera é ter que cantar no casamento do ex-noivo.

Juanita (2019)

Alfre Woodrad brilha neste drama em que vive Juanita. Cansada de viver para trabalhar como enfermeira e sustentar os três filhos adultos e os netos, ela decide pegar suas economias e ir viajar sem destino em busca de alívio e amor. É legal porque mostra uma mulher negra vivendo o amor na maturidade, algo que não é muito comum no cinema hollywoodiano. 

Malcom e Marie (2021)

Zendaya e John David Washington vivem o casal formado por um cineasta em ascenção e uma modelo e ex-viciada. O trailer já anuncia que este não é um filme de amor, mas sobre o amor. O casal passa a noite inteira entre discussões e pazes sobre os conflitos que têm entre si e consigo mesmos.


Fonte: IG Mulher

Mais Notícias em Mulher

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
  • Facebbok
  • Twiter
  • Youtube
Área de comentários
Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

canal no youtube

Mais recentes