“Sou solteira e sou feliz”: a solidão como empoderamento feminino

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

“Sou solteira e sou feliz”: a solidão como empoderamento feminino


source


Dicas para aproveitar o Valentine’s Day solteira e cheia de amor próprio
Reprodução: Alto Astral

Dicas para aproveitar o Valentine’s Day solteira e cheia de amor próprio












Foi-se a época que estar solteira no dia dos namorados era uma situação triste. Agora mulheres realizam discussões sobre como a solidão é uma ferramenta política de empoderamento feminino e cada vez mais consideram que é melhor ser feliz na própria companhia do que estar numa relação apenas por estar.

Você viu?

Uma pesquisa realizada pelo aplicativo de relacionamentos Inner Circle aponta que 66% dos solteiros não ligam para a data e 79% não se sentem mais pressionados a estar em um relacionamento. Os três principais motivos pelos quais os solteiros não se importam com o Dia dos Namorados são: para 56% deles, o dia é como qualquer outro e para 34,5%, o amor não deve ser celebrado apenas em uma data específica. 

Para Anna Linhares (48), cientista Social e coordenadora de um projeto sobre feminismo, mulheres estão questionando cada vez mais sobre machismo e relacionamentos abusivos, ficando cada vez mais exigentes com quem e como se relacionar.

“Historicamente mulheres sofrem por amor porque são socializadas para encontrar um príncipe encantado e os homens são socializados para eficácias; focar em suas vidas, profissionais, objetivos… a sociedade cobra que uma mulher esteja acompanhada, que mantenha a sua relação, mas aos poucos isso vem sendo combatido”, explica. 

Solteira e feliz

Em sua trajetória de vida, a cientista social relata que conviveu com relacionamentos abusivos. Em um deles ela recebia questionamentos sobre a escolha das roupas que ela usava, convivia com inúmeras traições sexuais do parceiro e não conseguia expressar os seus sentimentos e pensamentos ao companheiro.

“Foi aí que eu procurei terapia, o feminismo e a psicanálise me ensinaram a problematizar esta realidade que causa violências. Hoje me sinto feliz sozinha, não quero relacionamento sério”, diz.

Lorena Muniz, psicóloga de formação, coach em relacionamento e sexualidade, explica que já sofreu muito sobre estar solteira no Dia dos Namorados, indo para terapia por 7 anos para entender porque todo mundo namorava, menos ela. “Estar solteira era uma condição que realmente me causava sofrimento, eu atribuía o status de solteira à falta de valor e uma das datas que mais me causava sofrimento era o Dia dos Namorados”, comenta Muniz. 

Mas hoje a realidade de Muniz é outra: a data virou celebração pessoal. “Eu adoro o Dia dos Namorados, adoro ver o clima de amor no ar e ajudar minhas amigas a terem ideias criativas. Mas o que eu mais adoro é que eu aprendi a me namorar nessa data e em todas as outras. Aprendi a me agradar, a preparar e escolher experiências para mim como quem quer escolher o melhor presente do mundo para alguém”.

Muniz ressalta que estar em um relacionamento não significa que a solidão interna acabe, sendo preciso que as mulheres olhem para sua solidão e entendam as suas vulnerabilidades como ferramenta política.


Solteiras, elas também se autopresenteiam e realizam rituais consigo mesmas no Dia dos Namorados. “Considerando que estamos em tempos de pandemia, meu ritual esse ano será diferente. Em vez de ir a um restaurante eu vou cozinhar em casa mesmo o meu prato favorito. Eu sempre me presenteio com alguma coisa que vai me deixar feliz”, diz Muniz.

Fonte: IG Mulher

Mais Notícias em Mulher

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
  • Facebbok
  • Twiter
  • Youtube
Área de comentários
Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

canal no youtube

Mais recentes