Indígenas do Maranhão denunciam PM por prisão ilegal

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Indígenas do Maranhão denunciam PM por prisão ilegal


A Polícia Militar do Maranhão prendeu quatro índios da etnia Akroá-Gamela nesta quinta-feira (18), acusados de fazerem funcionários da empresa de energia elétrica Equatorial Energia e dois policiais militares reféns, segundo a Secretaria de Segurança Pública do Maranhão.ebcebc

A Equatorial Energia informou, por meio de nota, que seus funcionários trabalhavam na construção da Linha de Distribuição LD Miranda, que corta o território ocupado pelos akroá-gamela, quando foram abordados por um grupo de índios que exigiam a imediata paralisação do serviço. A companhia disse que, diante da situação, enviou para o local, na manhã de ontem, um grupo de negociadores encarregados de agendar uma reunião com representantes das comunidades indígenas.

“[Foi então que] os indígenas se exaltaram, mantiveram todos reféns por algumas horas, tomaram as armas dos policiais que foram chamados para tentar controlar a situação e atearam fogo nos veículos da concessionária. Um reforço foi solicitado e os reféns foram libertados sem ferimentos”, diz a nota.

Já as lideranças da Terra Indígena Taquaritiua acusam os policiais de deterem, com violência, indígenas que protestavam contra a ação da companhia energética em território indígena.

Os akroá-gamela disseram ainda que foram atacados por “jagunços” que, segundo eles, teriam se apresentado como policiais à paisana. Em relato a missionários do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), indígenas contaram que, ainda na tarde de quarta-feira (17), a comunidade foi surpreendida pela chegada, hostil e sem aviso prévio, de funcionários da Equatorial acompanhados por homens armados.

A tensão aumentou na manhã de quinta-feira, quando indígenas questionaram a presença do grupo. A partir daí, as versões apresentadas por indígenas e autoridades estaduais se contradizem.

A Secretaria Estadual de Segurança Pública disse que a Polícia Militar foi acionada depois que os indígenas já tinham queimado veículos da Equatorial e feito funcionários da empresa de reféns. Informou ainda que, ao chegarem no local, dois PMs também foram feitos reféns e tiveram suas armas subtraídas.

“Os policiais não reagiram para evitar qualquer confronto. [Um] Reforço foi solicitado, os reféns devidamente resgatados e quatro autores conduzidos para a Delegacia Regional de Viana. As armas subtraídas foram recuperadas no final da tarde”, disse a secretaria, em nota. LINK 1

Os akroá-gamela, por sua vez, alegam que os PMs foram acionados pelos homens armados que faziam a segurança dos funcionários da Equatorial e que diziam também ser agentes da segurança pública. Segundo os indígenas, ao chegarem ao local os PMs apreenderam celulares e outros equipamentos pertencentes a pessoas que registravam a situação e levaram lideranças indígenas à força para a delegacia.

De acordo com o Cimi, há anos a Equatorial Energia tenta instalar torres e linhões de transmissão de energia elétrica dentro da Terra Indígena Taquaritiua. Ainda segundo a entidade, embora a conclusão do processo de demarcação da área reivindicada como território tradicional dos akroá-gamela se arraste desde 2014, a legislação exige que a comunidade seja consultada sobre qualquer empreendimento no território que a impacte.

O Cimi denuncia que a tensão na Terra Indígena Taquaritiua aumenta ano após ano, “devido à demora da conclusão do processo de demarcação territorial”.

Confronto

No fim de abril de 2017, dezenas de indígenas foram feridos à bala, pauladas e facadas por homens armados que atacaram o povoado de Bahias, na mesma área indígena de Viana (MA). Após o episódio, a Funai constituiu, por força de uma ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal (MPF), um grupo técnico encarregado de identificar e delimitar a área de usufruto dos akroá gamela. O processo ainda não foi concluído.

A Equatorial Energia disse ter obtido dos “órgãos competentes” as licenças necessárias à realização do empreendimento. Consultadas pela Agência Brasil, a Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) ainda não se manifestaram.

Diante da ação indígena e da repercussão do episódio, a companhia energética decidiu suspender a obra até que os órgãos competentes apurem os fatos. Segundo a empresa, a conclusão da Linha de Distribuição – LD Miranda, que terá 150 quilômetros de extensão, é “essencial para promover o desenvolvimento da região da Baixada Maranhense” e “levar energia de qualidade para todos os clientes, entre eles os povos indígenas do Maranhão”.

Pará

Esta semana, a Equatorial Energia foi alvo de uma iniciativa extrajudicial da Procuradoria da República do Pará (MPF-PA), recomendando a imediata interrupção de obras que estão sendo realizadas irregularmente no interior da Terra Indígena Alto Rio Guamá, no nordeste paraense.

As recomendações foram enviadas à empresa e também às prefeituras de Nova Esperança do Piriá; Viseu e Garrafão do Norte.

Para o MPF, os empreendimentos beneficiam “invasores do território dos indígenas Tembé e não têm autorização nem do Ibama, nem da Funai. Entre as obras em construção em áreas ocupadas por não indígenas, há aterros sanitários, escolas e rede de energia elétrica.

Especificamente à Equatorial Energia, os procuradores recomendaram a imediata suspensão da execução de qualquer projeto de instalação de energia elétrica dentro da Terra Indígena Alto Rio Guamá sem a prévia autorização da Funai e licenciamento ambiental expedido pelo Ibama. A Equatorial também deve proceder, em 30 dias, a revisão de todos os projetos de instalação de rede elétrica dentro da terra, para verificar a regularidade. Outro prazo, de 45 dias, foi concedido para que a empresa interrompa o fornecimento de energia para ligações clandestinas.

Outro lado

A reportagem procurou a Secretaria Estadual de Segurança Pública do Maranhão para se manifestar respeito das acusações dos indígenas, e para informar se os quatro indígenas permanecem detidos ou foram liberados, mas ainda não recebeu resposta.

Procurada, a Equatorial Energia ainda não se manifestou.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Geral

Mais Notícias de POLÍTICA

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
  • Facebbok
  • Twiter
  • Youtube
Área de comentários
Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

canal no youtube

Mais recentes