Justiça do Trabalho condena usina da região de Araraquara por danos morais e materiais

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Justiça do Trabalho condena usina da região de Araraquara por danos morais e materiais


A viúva do motorista Luceir Bispo Martins, Sirlene Batista da Cruz, obteve vitória judicial no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 15ª Região contra o grupo São Martinho, sediado no município Américo Brasiliense (região de Araraquara-SP), pela morte do trabalhador Luceir Bispo Martins, ocorrida há 18 meses. A 1ª Vara do Trabalho de Araraquara (SP), através da Juiza Substituta Camila Machado, condenou a empresa por dano material e dano moral pelo acidente que tirou a vida de Luceir Bispo, que faleceu em 6 de maio de 2020, quando o caminhão em que dirigia da Usina Santa Cruz, do grupo São Martinho, tombou durante a última viagem que o trabalhador fazia antes de concluir a jornada do trabalho. A condenação da usina ocorreu há cerca de 30 dias através de sentença prolatada pela juíza do Trabalho.

A defesa da família, representada pelo advogado especialista em indenizações e Direito da Família Eduardo Lemos Barbosa, afirmou que a sentença “comprova, sem dúvida alguma, a culpabilidade da usina pelo acidente que vitimou Juceir”, uma vez que os pedidos de indenização por danos materiais e morais requeridos na petição inicial foram julgados procedentes. “Vamos recorrer agora na elevação dos valores na condenação por dano moral”, adiantou o advogado Eduardo Barbosa, destacando que a usina também “foi condenada por litigância de má fé”. “Foi uma decisão extremamente importante para a família, que não recebeu nenhum auxílio ou apoio da empresa”, acrescentou o advogado.

Um dos motivos que levaram a família a mover uma ação indenizatória na Justiça do Trabalho foi, de acordo com o advogado de defesa Eduardo Babosa, a omissão da empresa, que não teria comunicado o acidente às autoridades. A queixa foi feita na unidade policial pelo irmão mais novo da vítima. A cena do acidente foi alterada, segundo a família: a empresa retirou o veículo antes da perícia técnica chegar ao local e o levou para o pátio da Usina Santa Cruz. Isso, de acordo com os familiares, ocasionou na impossibilidade de o laudo da Polícia Civil ter sido feito de forma adequada, atrapalhando o curso das investigações, uma vez que o laudo permaneceu inconclusivo meses depois do acidente.

No processo consta a declaração da empresa de que o motorista estaria estacionado em local errado, o que não pode ser comprovado, de acordo com a família e pelo que aponta o próprio laudo técnico, uma vez que, quando as autoridades chegaram ao local, não puderam visualizar o veículo e analisar as causas do acidente.

O ACIDENTE

No dia 6 de maio de 2020, às 5H30, Luceir Bispo Martins fazia sua última viagem, a bordo de um caminhão bi-trem da Usina Santa Cruz, carregado de vinhaça. O acidente aconteceu na estrada rural da Fazenda Paraíso e o motorista foi encontrado com vida. Luceir foi resgatado para o Hospital São Francisco, em Araraquara, mas não resistiu a gravidade dos ferimentos e faleceu. Luceir possuía comorbidades, sendo do grupo de risco, e estava trabalhando presencialmente durante um dos períodos mais severos da pandemia.

A viúva Sirlene Batista da Cruz era casada com Luceir há 30 anos. Juntos, eles tentavam administrar os recursos recebidos pelo marido e estavam em busca de construir a casa própria, mas os sonhos foram interrompidos. Hoje, os dois filhos do casal, Jenifer, de 24 anos, com quem a mãe mora, e Jeferson, de 30 anos, que é casado e mora próximo à mãe e à irmã, trabalham na cidade e vivem com dificuldades financeiras após a morte do pai.

Mais Notícias de POLÍTICA

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
  • Facebbok
  • Twiter
  • Youtube
Área de comentários
Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

canal no youtube

Mais recentes