Servidor de Itu, ‘Senhor da Morte’ é preso com ‘kit aborto’

Compartilhe

Servidor de Itu, 'Senhor da Morte' é preso com 'kit aborto'

Servidor de Itu, ‘Senhor da Morte’ é preso com ‘kit aborto’

Um servidor de Itu (SP), conhecido como “Senhor da Morte”, foi preso na quinta-feira (28) suspeito de vender medicamentos abortivos na cidade.

De acordo com o boletim de ocorrência, o homem comercializava também medicamentos de uso controlado. As vendas, segundo a polícia, eram feitas em Itu e outras cidades da região, como Salto e Porto Feliz.

Nesta quinta-feira, policiais foram até o local, que fica próximo ao hospital municipal, onde o suspeito supostamente faria uma entrega.

No entanto, só encontraram uma mulher que seria a compradora. Ela confessou aos policiais que compraria o remédio abortivo.

Ainda conforme o registro, a equipe foi até um segundo endereço, indicado pela mulher, que fica no estacionamento do Mercado Municipal. Lá, encontraram o suspeito, que estava com um caminhão da prefeitura.

Durante a abordagem, os policiais apreenderam R$130, e um kit com vários medicamentos abortivos, entre eles o Cytotec. Dentro do veículo também foram encontradas mais cartelas dos mesmos remédios.

Ele foi preso em flagrante e encaminhado para a delegacia da cidade, onde permaneceu à disposição da Justiça.

A Prefeitura de Itu informou, em nota, que exonerou os dois funcionários imediatamente e que “apoia irrestritamente as investigações da Polícia Civil para que os acusados respondam criminalmente dentro dos rigores da lei”.

O poder público também afirma que “não há nenhuma relação entre a prefeitura e os atos ilícitos atribuídos aos acusados”.

Sobre o Cytotec, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que o medicamento não tem registro no Brasil, o que significa que sua venda é proibida. “O misoprostol, princípio ativo do Cytotec, faz parte da lista de substâncias sujeitas a controle especial, da Portaria 344/1998”, diz a nota.

“Existe um outro medicamento que está regularizado no país com a substância misoprostol. Trata-se do medicamento de nome comercial Prostokos, indicado nos casos em que seja necessária a interrupção da gravidez em gestações a termo ou próximas ao termo e na indução de parto com feto morto antes das 30 semanas, em caso de aborto legal. É um produto restrito a estabelecimentos hospitalares devidamente cadastrados e credenciados”, informa a Anvisa.

Servidor de Itu Senhor da Morte e preso com kit aborto 1

Do G1

Mais Notícias de Sorocaba e Região

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:

Compartilhe!
Área de comentários

canal no youtube

Mais recentes