Covid-19: entenda como luz UV e ozônio matam o novo coronavírus

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Covid-19: entenda como luz UV e ozônio matam o novo coronavírus

Rodo com luz UV-C pode ser utilizado para limpar superfícies

Rodo com luz UV-C pode ser utilizado para limpar superfícies
Divulgação/IFSC-USP

Em meio à pandemia da covid-19, a busca por meios de eliminar o novo cornavírus chegou a duas soluções cujos nomes sempre estiveram relacionados ao céu: luz ultravioleta e ozônio.

A luz UV está no espectro invisível ao olho humano e chega à terra vinda do sol majoritariamente como UV-A, que penetra profundamente nas células da epiderme e é tido como responsável por 80% do envelhecimento da pele. A outra forma natural é o UV-B, muito mais agressivo, mas menos abundante.

Para realizar a desinfecção, os cientistas descobriram um grande aliado no UV-C, ainda mais potente e perigoso.

“A luz ultravioleta causa danos em praticamente todos os microrganismos e seres vivos em geral, incluindo humanos, provocando danos na pele, câncer e até dano ocular, quando apontada para a retina”, explica Adélia dos Santos, professora da Universidade Municipal de São Caetano do Sul e especialista em infecciologia.

Leia também: Pesquisadores desenvolvem sistema de desinfecção de locais fechados

Rodo criado por pesquisadores USP é utilizado em hospitais

Rodo criado por pesquisadores USP é utilizado em hospitais
Rui Sintra/USP

Com isso, o vírus, que tem estruturas mais simples, têm suas membrandas e seu material genétio destruídos, conta o professor Vanderlei Bagnato, do IFSC-USP (Instituto de Física de São Carlos). Pensando na limpeza e higienização de ambientes hospitalares, o IFSC elaborou um rodo capaz de emitir a luz UV-C.  

Adélia cita a aplicação da luz ultravioleta em dutos de ventilação como uma forma eficiente de tornar a filtragem do ar mais eficiente, matando os vírus e bactérias, e aumentando a durabilidade dos filtros.

Veja mais: Coronavírus: os robôs usados para eliminar vírus em hospitais

O ponto negativo deste método é o curto alcance dos raios UV-C, que agem somente nas áreas que são diretamente atingidas pela luz. A professora explica que, por se tratar de organismos microscópicos, qualque resíduo pode conter o vírus e pode existir o risco de uma contaminação.

Ozônio pode ser utilizado em vapor ou como gás para limpeza de superfícies e do ar

Ozônio pode ser utilizado em vapor ou como gás para limpeza de superfícies e do ar
Reprodução

Uma outra alternativa para a limpeza de lugares de difícil acesso ou de itens que são sensíveis ao álcool e a água com sabão é o ozônio. Segundo a professora, o vapor pode ser aplicado em superfícies e o gás faz a limpeza de ambientes.

O ozônio mata microrganismos em uma aplicação de 30 minutos, que devem ocorrer em locais fechados e sem a presença de pessoas. O procedimento tem uma ação pontual e não garante uma higienização por um longo período.

Apesar de permitir a limpeza de equipamentos eletrônicos, existe o risco de oxidação de peças metálicas e, por isso, deve ser um método feito com cuidado. 

Independentemente de qualquer tecnologia, Adélia ressalta a importância de se utilizar os tradicionais meios para se enfrentar os vírus. 

“A ventilação permite a troca de ar e reduz a concentração e carga das partículas virais que estejam em um ambiente, diminuindo, também as chances de contaminação”, finaliza.

Assista também: Estudo conclui que hidroxicloroquina não é eficaz para pacientes com sintomas leves e moderados da covid-19

Tecnologia e Ciência

Fonte: R7

Mais Notícias sobre TECNOLOGIA

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes