Golpes virtuais disparam com pandemia do coronavírus

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Golpes virtuais disparam com pandemia do coronavírus

Com mais pessoas em casa por causa do isolamento social e aumento de operações no comércio eletrônico, as tentativas de fraudes estão em alta

Golpes virtuais disparam com covid-19

Golpes virtuais disparam com covid-19
Pixabay

De repente, o celular toca. Numa mensagem de WhatsApp, um amigo pede ajuda. Precisa fazer um depósito urgente e está com problema no aplicativo do banco. Pergunta se pode fazer para ele e no dia seguinte devolve o dinheiro. A história faz parte de um dos golpes mais populares dos últimos meses, sobretudo durante a quarentena. Com mais pessoas em casa por causa do isolamento social e aumento de operações no comércio eletrônico, as tentativas de fraudes virtuais estão em alta.

No período entre 20 de março e 18 de maio, a busca de informações pessoais e bancárias de brasileiros na chamada dark web (ver infográfico) cresceu 108%, segundo pesquisa feita pela Refinaria de Dados, empresa especializada na coleta e análise de informações digitais. O número de buscas diárias alcançou 19,2 milhões ante 9 milhões no período pré-covid.

Leia mais: Polícia Federal desmonta quadrilhas especializadas em golpes de auxílio emergencial em São Paulo

O sócio da companhia, Gregório Gomes, responsável pelo trabalho, explica que normalmente quem rouba os dados pessoais das pessoas não é quem aplica o golpe. Eles conseguem um banco de dados e vendem para criminosos na dark web. “São sempre dois atores diferentes, o que dificulta a ação da polícia”, afirma o executivo.

Outro dado que corrobora o aumento das tentativas de golpes virtuais é o crescimento dos chamados phishings, nome dado a prática que usa e-mail ou SMS para roubar informações do usuário. Segundo informações da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o número de phishings aumentou 70% no pós-covid. Neste caso, os criminosos enviam mensagens com informações que chamam a atenção do usuário, que clica em um link e, a partir daí, permite a captura dos dados pessoais.

Veja também: PM prende 2 homens que aplicavam golpe do auxílio emergencial em SP

Mensagens fraudulentas

Durante o isolamento social, as mensagens feitas pelos criminosos para atrair a atenção dos brasileiros quase sempre mencionavam as palavras covid, auxílio e Caixa – expressões que mais cresceram no período. Cerca de 39% das mensagens tinham a palavra covid; 36%, auxílio; e 33%, Caixa (ver gráfico). “Das tentativas de phishing no Brasil, 73% dos disparos foram feitos por SMS”, diz Gomes.

Segundo ele, boa parte dos dados conseguidos nessas ações é vendida em sites da dark web. O que explica a reativação de mais de 250 marketplaces ilegais nesse submundo da internet. O executivo explica que vários sites haviam sido fechados anteriormente por ações da polícia, mas agora voltaram a atuar.

Confira: Vítima cai em ‘golpe do aluguel’ e estelionatária é procurada por outros crimes

O diretor da comissão de Prevenção a Fraudes da Febraban, Adriano Volpini, afirma que 70% das fraudes têm origem na engenharia social. “Os criminosos sabem que é difícil transpor os mecanismos de segurança. Então eles se valem de formas para conseguir que as pessoas passem os dados para eles.” Com mais pessoas em casa e online, eles criam páginas falsas e capturam as informações.

Um golpe comum, diz ele, é alguém ligar perguntando se a pessoa fez uma compra num determinado valor. Diante da negativa do usuário, ele afirma que é do banco e pede para confirmar os dados. Ele informa alguns e pede outros. “São golpes que parecem simples, mas muita gente cai.” Portanto, afirma o executivo, desconfie de promoções mirabolantes, promessas muito fora da realidade e não clique em links suspeitos. Além disso, os bancos não pedem para digitar ou informar senhas.

Mais: Golpe do esquema de pirâmide que lucrou R$ 1 bilhão faz novas vítimas

Comum

Segundo o delegado Carlos Ruiz, da 4ª Delegacia de Delitos Cometidos por Meios Eletrônicos (DIG/DEIC), as fraudes mais comuns têm sido os leilões virtuais de automóveis, em que criam sites falsos, vendem o carro e desaparecem; a clonagem de WhatsApp; e o roubo de perfil de redes sociais, usados também para ameaçar e extorquir seguidores.

Para Daniel Marchetti, da Associação Brasileira das Empresas de Cartão de Crédito e Serviços (Abecs), a rápida mudança no comportamento de gastos do brasileiro durante a pandemia fez com que os fraudadores se aproveitassem do momento.

Segundo ele, diante desse novo cenário, as instituições mudaram suas estratégias internas para evitar os golpes e intensificaram as ações de comunicação com os clientes.

Acesse: Golpes de sites falsos de venda de carros crescem 70% em três meses

Em nota, a Caixa afirma que não envia e-mails ou mensagens pedindo informações e nem realiza ligações para os cidadãos. Também diz que não manda SMS com link.

“Pela primeira vez tive o meu cartão clonado”

Viviane Carmezim estava trabalhando em casa quando recebeu uma mensagem de WhatsApp de um número novo, mas com a foto do filho e da neta. Na mensagem, a pessoa falava que havia trocado o número e era para ela gravar esse novo.

Acreditando ser o filho, Viviane questionou por que havia mudado o número e a pessoa explicou que havia conseguido um plano melhor. Conversa vai, conversa vem, a pessoa disse pra ela que por causa da troca do número estava com problemas para acessar o aplicativo do banco e pediu para ela depositar um valor de R$ 40 mil.

Mais: Vítima diz ter perdido R$ 75 mil com o ‘golpe da pirâmide’ de empresa

Viviane disse que só conseguiria fazer a metade do montante. Mas achando estranha a história, tentou ligar para o filho, que dizia não poder falar. Ela imaginou que ele estava em alguma reunião de trabalho e acabou fazendo a transação. Antes de dar o ok, enviou o montante e a conta para o fraudador, que confirmou os números. Então, Viviane concluiu a transação.

Ao enviar o recibo para o filho, por equívoco, mandou para o celular do filho (não o do fraudador). Imediatamente, o filho ligou para a mãe para entender o que era aquele comprovante e disse que era um golpe. Viviane ficou desesperada, afinal tinha transferido para um criminoso R$ 21 mil. “Dez minutos depois de fazer a transferência, liguei para o banco e graças a deus consegui reverter a transação. Mas foi muita sorte eu mandar o recibo para o celular correto do meu filho.”

No caso da designer Pamela Bortolanza, a fraude ocorreu no cartão de crédito. Três dias após usar o cartão num site de doação, recebeu uma mensagem de um gasto de R$ 1,5 mil. No dia seguinte, outras despesas, como táxi e supermercado. “Foi a primeira vez na vida que tive um cartão clonado. Sempre tive muito cuidado.”

Na mesma semana que foi vítima do golpe, ela conta que seu ex-marido teve a conta do WhatsApp clonado. O fraudador disparou mensagens para várias pessoas pedindo dinheiro, mas não teve sucesso, diz ela.

(Fonte: R7)

Mais Notícias de TECNOLOGIA

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes