Saiba 7 curiosidades sobre a chuva de meteoros desta madrugada

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

Saiba 7 curiosidades sobre a chuva de meteoros desta madrugada

meteoro

Com a chuva de meteoros que terá seu pico a partir dos primeiros minutos desta quarta-feira (21), podem surgir muitas dúvidas a respeito desse fenômeno. O R7 conversou com o coordenador do Observatório Didático de Astronomia da Unesp Bauru, Rodolfo Langhi, para saber como observar a Orionídeos, por que ela sempre ocorre em outubro, se existem outras chuvas de meteoros que acontecem com certa periodicidade e muito mais

ceu de noite

Segundo o astrônomo, para acompanhar a Orionídeos, não será preciso utilizar equipamentos como luneta e binóculos. Inclusive, o fenômeno só pode ser visto a olho nu, pois os meteoros passam muito rapidamente e são dispersos entre si. “Basta que a pessoa deite no chão e observe o céu atentamente”, orienta

cometa halley

A Orionídeos ocorre todos os anos, sempre em outubro. Isso porque, de acordo com Langhi, é neste período que a Terra cruza com os rastros deixados pelo cometa Halley. “Os meteoros desta chuva consistem em fragmentos provenientes deste astro”

chuva de meteoros leonidas

Além da Orionídeos, inúmeras outras chuvas de meteoros ocorrem todos os anos. “As mais famosas, no entanto, ao menos no Hemisfério Sul, são a Orionídeos, a Geminídeos e a Leonídeos”, afirma o astrônomo. A foto acima retrata um meteoro da Leonídeos registrado em 2009

chuva de meteoros geminidas

A Orionídeos recebe este nome pois a trajetória dos meteoros dessa chuva se cruzam na Constelação de Orion. Já a Geminídeos e a Leonídeos, por exemplo, recebem este nome porque todos a trajetória de todos os meteoros destas chuvas se cruzam na Constelação de Gêmeos e Leão, respectivamente. “Se você analisar a foto acima, que ilustra uma chuva de meteoros Geminídeos, irá reparar que todos os meteoros parecem sair do mesmo ponto”, diz

meteoroides no espaco

De acordo com o Langhi, a chuva de meteoros, popularmente conhecida como “estrelas cadente”, consiste na entrada de meteoroides na atmosfera terrestre. Estes, por sua vez, são fragmentos de cometas ou asteroides que se desprendem e ficaram vagando pelo espaço, em órbitas em torno do Sol. Ao entrar na atmosfera, esses corpos celestes pegam fogo

meteoroide entrando na atmosfera

“Isso acontece porque no espaço não há ar, é um vácuo. Quando as partículas se deparam com os gases da atmosfera a uma velocidade de cerca de 30km/s, mais de 100 mil km/h, isto causa um atrito e elas começam a esquentar, podendo chegar a 2.000ºC”, explica. “A temperatura é tão alta que elas chegam a ser pulverizadas, isto é, viram poeira e vão descendo até atingir a superfície”

meteorito

Em alguns casos, no entanto, os fragmentos são grandes e não chegam a queimar por completo, atingindo assim o solo. “Quando isso acontece, o astro recebe o nome de meteorito”, afirma o astrônomo. A foto acima retrata o Meteorito Marília, que caiu na cidade de Marília, no interior de São Paulo, em 5 de outubro de 1971

cientista

Segundo Langhi, durante a passagem da Terra pelos rastros do cometa Halley, os astrônomos podem estudar a composição química dessas partículas, a velocidade e a direção exata em que elas se movimentam. “A partir desses dados, é possível calcular com mais precisão a órbita desses fragmentos”, afirma

Tecnologia e Ciência

Fonte: R7

Mais Notícias sobre TECNOLOGIA

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Mais recentes