Search
Close this search box.

Câmara de Sorocaba aprova proibição da Marcha da Maconha na cidade

Compartilhe

Câmara de Sorocaba aprova proibição da Marcha da Maconha na cidade

Câmara de Sorocaba aprova proibição da Marcha da Maconha na cidade

A Câmara de Sorocaba (SP) aprovou nesta terça-feira (7) o projeto de lei que proíbe a realização de eventos como a Marcha da Maconha na cidade. A iniciativa passou nas duas votações da sessão extraordinária. O projeto é do prefeito Rodrigo Manga (Republicanos). O texto tramitava desde novembro de 2022.

O projeto aprovado estabelece a proibição de marchas, inclusive a Marcha da Maconha, eventos, feiras, reuniões e práticas “que façam apologia à posse para consumo e uso pessoal de relativas a substâncias ilícitas ou ilegítimas psicotrópicas ou entorpecentes, que possam causar dependência de qualquer natureza”.

Durante as discussões, antes da votação, parlamentares da base do governo defenderam o projeto, como Luis Santos (Republicanos). Iara Bernardi (PT) e Fernanda Garcia (Psol) criticaram a medida, que segundo elas, já tem jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF) a favor do ato, ou seja, pela realização da marcha.

Ainda durante a sessão, houve manifestação de um grupo que é contra a proibição. Os inegrantes possuíam cartazes que traziam, por exemplo, afirmações de que o projeto é inconstitucional. Eles cobraram também explicações do prefeito Rodrigo Manga, que esteve na Câmara, pela manhã, sobre as denúncias de superfaturamento de mais de R$ 10 milhões na negociação do prédio comprado pela Prefeitura de Sorocaba, na região do Campolim, zona sul da cidade.

“Esse projeto vai contra a Constituição Federal. É uma questão de saúde pública. O projeto criminaliza e gera ainda mais preconceito”, afirma Juliana Andrade da Silva, que defende o uso medicinal da maconha. Ela diz ter lúpus e fibromialgia e alega que faz tratamento usando de cannabis com autorização legal.

Como justificativa, o texto enviado pelo Executivo afirma que a realização de atos e adoção de condutas ofensivas a todo um sistema pautado pela maxima tutela das crianças e adolescentes não depende apenas do Estado, mas também da família e da sociedade.

O projeto recebeu parecer de constitucionalidade da Comissão de Justiça da Casa. O grupo que protestou durante a sessão afirmou que entrará com ação na Justiça contra o projeto, após a sanção.

Livros e revistas

Ainda durante a sessão, os vereadores aprovaram o projeto que proíbe a comercialização de livros, revistas ou artigos congêneres em bancas de revistas ou jornais em Sorocaba, que façam apologia à posse para consumo e uso pessoal de substâncias ilícitas entorpecentes ou psicotrópicas, que possam causar dependência.

Para a aposição, a texto aprovado traz censura ao trabalho da imprensa e também impede, por exemplo, a realização de audiência pública para tratar do tema. Em caso de descumprimento, o texto aprovado prevê multa que pode chegar a R$ 100 mil.

Câmara de Sorocaba aprova proibição da Marcha da Maconha na cidade

Do G1

Mais Notícias de Sorocaba e Região

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:

Compartilhe!

PUBLICIDADE

canal no youtube