Como os custos de um veículo elétrico se comparam com um tradicional?

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Como os custos de um veículo elétrico se comparam com um tradicional?


source
Renault Kwid elétrico tem valor médio para ser recarregado no mês de R$ 62, de acordo com  cálculos da Elev
Divulgação

Renault Kwid elétrico tem valor médio para ser recarregado no mês de R$ 62, de acordo com cálculos da Elev

O carro elétrico é uma opção distante de muitos brasileiros, especialmente pelo preço elevado – o mais em conta parte de R$ 143 mil. Entretanto, apesar do investimento inicial ser alto, o custo das manutenções e recargas se mostram até 50% mais em conta, quando comparado aos veículos a combustão. Assim, quem já possui um automóvel elétrico, irá economizar no longo prazo.

Ricardo David, sócio-diretor da Elev, explica que isso é possível pelo baixo valor de manutenção desse modelo de automóvel. “É preciso ampliar a visão sobre os carros elétricos , principalmente se considerarmos que a manutenção dos veículos e o valor gasto na recarga são baixos, refletindo diretamente no orçamento mensal do proprietário”, ressalta o executivo.

Grandes marcas da indústria como General Motors , Renault , Nissan , Volvo , Fiat e Volkswagen já anunciaram a transição para veículos elétricos. Mas, David acredita que ainda há muito para avançar na indústria nacional. “As cidades precisam se preparar ampliando os pontos de recarga para atender a demanda dessas empresas”, completa.

Vamos comparar o R enault Kwid E-Tech , o elétrico mais em conta do Brasil com um Volkswagen T-Cross . Apesar de pertencerem a segmentos diferentes, o elétrico é cerca de R$ 3 mil mais caro que a versão Comfortline do SUV que é equipado com motor 1.0 turboflex.

Em um uso de 12.400 km por ano, T-Cross necessitaria de R$ 7.296,52 apenas para gasolina, considerando o valor do litro a R$ 7,12. Diluído em 12 meses, o custo mensal com combustível é de R$ 608,04.

Utilizando a mesma quilometragem rodada, o Kwid necessitaria de R$744 para carregar suas baterias de 26,8 kWh, considerando o custo da energia de R$0,66 o kWh, diluindo o montante em 12 meses, o valor gasto para carregar o veículo seria de R$62/mês.

Para rodar com um VW T-Cross 1.0 TSI gasta-se, em média 608,04 por mês, ainda de acordo com a Elev
Divulgação

Para rodar com um VW T-Cross 1.0 TSI gasta-se, em média 608,04 por mês, ainda de acordo com a Elev

O IPVA do T-Cross custaria R$ 5.637,36 contra os R$ 5.719,60 do Kwid , porém, é necessário considerar que em algumas regiões do Brasil carros elétricos possuem isenção do imposto.

As revisões do T-Cross são oferecidas em pacotes: As três primeiras revisões, saem por R$ 1.759 no pacote promocional da fabricante. No lançamento do Kwid elétrico , a Renault informou que os valores de revisão seriam os mesmo do modelo a combustão, e a revisão de 10 mil km, custa R$ 451,70 segundo o site da marca francesa.

Na ponta do lápis, o Kwid custaria R$ 6.915,3 em um ano, ou R$ 576,28 por mês. O valor gasto no T-Cross seria de R$ 14.692,88, ou R$ 1.224,41 se diluído em 12 meses. O maior vilão para o carro a combustão nesse comparativo é o preço do combustível, enquanto o Kwid enfrenta o alto custo de aquisição para um carro do segmento compacto.

Uma vantagem dos veículos elétricos em São Paulo, por exemplo, é a isenção do rodízio na capital, porém, é necessário levar em consideração a aceitação no mercado de usados, caso queira se desfazer o veículo.

Os veículos elétricos ainda são novidade e pode ser considerado bicho de sete cabeças para muitas pessoas, que podem não se interessar por esses veículos em concessionárias de usados, apesar dos oito anos de garantia para as baterias que muitas montadoras dão.

Itens como custo de recarga e manutenção são os mais vantajosos quando o assunto é carro elétrico
Divulgação

Itens como custo de recarga e manutenção são os mais vantajosos quando o assunto é carro elétrico

Além disso, o perfil de compradores de veículos usados pode ser mais conservador que o de veículos novos, o que faria o carro encalhar na loja, e pensando nisso, os lojistas mais experientes evitariam comprar o veículo elétrico usado para revender.

Os veículos elétricos ainda estão distantes da maior parte da população brasileira que representa o grande volume de vendas no setor. No primeiro semestre de 2021, o segmento de entrada e de hatches pequenos representou 38,9% das vendas de veículos novos.

Então, apesar do Kwid elétrico ser do mesmo porte do modelo a combustão, o valor para adquiri-lo – quase R$ 100 mil de diferença – o coloca em segmentos diferentes com consumidores que não utilizam o veículo da mesma forma.

Fonte: IG CARROS

Mais Notícias em CARROS

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
Área de comentários
Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

canal no youtube

Mais recentes