Guia de Raças: conheça mais sobre os Angorá, raça alegre e inteligente

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram

Guia de Raças: conheça mais sobre os Angorá, raça alegre e inteligente


source
Conheça mais sobre a raça felina Angorá
Halan Alves /Pixabay

Conheça mais sobre a raça felina Angorá

Com uma origem bem antiga, datada do século 15, na cidade de Ancara, na Turquia, a raça Angorá (ou “Angorá Turco”, como é chamada em alguns países de língua inglesa) já teve altos e baixos ao longo da história.

Não se sabe ao certo quais raças deram origem ao Angorá, mas teorias apontam que tenham sigo gatos selvagens com Gato-de-Pallas (raça de gatos de pelos longos resistentes a baixas temperaturas) e cruzamentos de gatos Turcos com raças provenientes da Rússia.

Considerada uma das primeiras raças de gatos de pelos longos a viver na Europa, o Angorá não demorou a cair no gosto de grandes membros da nobreza. A raça chegou à Europa levada por um naturalista francês conhecido como Fabri, que levou um casal de gatos para perpetuar a raça na região.

Uma das mais famosas a adotar gatos Angorá foi a Rainha Maria Antonieta, esposa do Rei Luís 16, que chegou a ter seis gatos da raça. Contudo, o início do século 20 foi difícil para os Angorá, que por pouco não foram completamente extintos.

Além de consequências da Segunda Guerra Mundial, com o aumento de popularidade  dos gatos Persa, muitos perderam o interesse pelos Angorá. Para proteger os gatos da extinção, a Turquia desenvolveu um programa de preservação no qual gatos da raça passaram a ser criados em zoológicos.

Os esforços foram focados em encontrar espécimes de pelagem branca, olhos azuis, verdes e  heterocromáticos (um olho de cada cor), o que fez com que essa condição seja muito comum em gatos da raça na cor branca atualmente. Devido à quase extinção, os turcos se tornaram bem mais rigorosos para a exportação de Angorás, até que em 1962 o primeiro casal foi levado para a América do Norte, onde logo conquistaram uma boa popularidade.

Em 1970 a raça foi registrada pela Cat Fanciers Association, ganhando reconhecimento dois anos depois. Além dos gatos brancos, a partir do ano de 1978 também passaram a ser aceitos como Angorás gatos com outras variações de pelagem e de cores.

A personalidade do Angorá

A heterocromia é comum entre os gatos da raça Angorá
Sergey Semin/Unsplash

A heterocromia é comum entre os gatos da raça Angorá

famoso gato Mingau, conhecido dos gibis da “Turma da Mônica”, o Angorá é considerado um dos gatos mais inteligentes. Tem uma personalidade dócil e é bastante apegado à família, e também pode escolher um dos tutores como “favorito”, com o qual ficará ainda mais próximo.

É um gato que se adapta bem aos ambientes e situações, mas a preferência é que sejam criados em ambientes mais espaçosos e protegidos. Eles adoram escalar e será comum vê-los subindo em portas e armários – o enriquecimento ambiental é importante.

Tanta inteligência também os torna um pouco teimosos. Eles vão adorar explorar e exercitar seus instintos de caça. Se dão muito bem com crianças de todas as idades e até com cachorros, desde que bem socializados.

Esses bichanos gostam de dar e receber carinho e não gostam de ficar muito tempo sozinhos, por isso o tutor deve se dedicar ao pet.

Cuidados com higiene

Gatos da raça geralmente gostam de brincadeiras com água
Dids/Pexels

Gatos da raça geralmente gostam de brincadeiras com água

Como um gato de pelos longos, o Angorá precisa ser escovado ao menos uma vez por semana para a remoção de pelos mortos e para a manter os pelos mais soltos e brilhantes. Não é uma tarefa difícil, já que não tende a formar nós por não ter pelos de camada dupla.

É preciso ter atenção à pelagem desses gatos durante o verão, já que fica um pouco mais curta, o que causa maior queda de pelos entre as estações. Ao notar essa mudança de pelos, o tutor deve realizar a escovação todos os dias.

Quanto aos banhos,  por serem gatos de pelos longos muito ativos e brincalhões, podem não dar conta de se limparem totalmente sozinhos. Os banhos são recomendados ao menos duas vezes ao mês para os brancos e uma vez por mês para os de cores mais escuras.

É preciso atenção para áreas onde costumam se sujar mais, como cabeça, patas e partes intimas. Lembrando também de sempre secar bem para evitar proliferação de fungos pela umidade. Uma curiosidade sobre o Angorá é que, ao contrário da maioria dos bichanos, eles gostam de brincadeiras na água.

Cuidados com a saúde

Um problema muito comum em gatos brancos, principalmente nos que vivem com heterocromia, é que eles têm grande probabilidade de serem surdos. A surdez é causada por uma falha no gene encontrado em animais de cor branca ou parcialmente brancos. Geralmente esse problema não chega a afetar a vida desses animais, mas é importante que se faça um acompanhamento com um médico veterinário.

Entre outros problemas de saúde comuns em gatos da raça estão problemas no trato urinário (que podem apresentar forte odor na urina e até sangue) problemas cardiológicos e neuromuscular. Já nas primeiras semanas de vida os filhotes podem apresentar cardiomiopatia hipertrófica e ataxia, sendo extremamente importante que se faça um acompanhamento com um médico veterinário desde cedo.

Para garantir que os pets tenham sempre ajuda quando necessário, o iG Pet Saúde oferece aos tutores consultas emergência e até opção de transporte ao veterinário. Confira  essas e outras vantagens de se ter um plano de saúde pensado especialmente para cães e gatos, com 50% de desconto nos três primeiros meses. Acompanhe o  Canal do Pet também no Telegram!

Fonte: IG PET

Mais Notícias sobre Pet

Curta O Rolo Notícias nas redes sociais:
  • Facebbok
  • Twiter
  • Youtube
Área de comentários
Compartilhe!
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on linkedin

canal no youtube

Mais recentes